O ministro das Finanças do Brasil, Henrique Meirelles, disse esta sexta-feira que a forte recessão que atingiu o país “é uma coisa do passado”.

A declaração foi feita no primeiro aniversário da chegada ao poder do Presidente Michel Temer, que ocupa a Presidência brasileira desde 12 de maio de 2016 quando o Congresso brasileiro afastou, por intermédio de um processo de destituição, a antecessora, Dilma Rousseff.

“O Brasil está passando por um momento de profunda transformação”, disse Meirelles numa cerimónia realizada pelo Governo para apresentar um balanço dos primeiros doze meses de Michel Temer no poder.

“Nós encontramos um país que experimentou a sua pior recessão da história”, disse o ministro, referindo-se à perda de quase oito pontos percentuais sofrida pelo Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, entre 2015 e 2016.

Henrique Meirelles acrescentou que um ano depois foram adotadas “as medidas necessárias e a economia começou a reagir”.

“Podemos dizer que a economia está crescendo novamente e a recessão está no passado”, acentuou.

Henrique Meirelles admitiu que um dos principais desafios do país é reduzir a alta taxa de desemprego, que afeta cerca de 14 milhões de trabalhadores (13% da força de trabalho), mas também disse estar convencido de que no segundo semestre deste ano o desemprego diminuirá.

O ministro lembrou, entre outras reformas impostas pelo Governo de Michel Temer, a aprovação de um limite para a despesa pública ao longo das próximas duas décadas e algumas reformas controversas como mudanças nas leis laborais e do sistema de pensões.

De acordo com Henrique Meirelles, estas e outras medidas de ajustamento estão a restaurar a confiança dos investidores.

O ministro também destacou a trajetória da inflação, que há um ano estava em 9,28% e agora fechou o mês de abril em 4,08%.

“Tudo isso é resultado da confiança que este Governo tem dado à economia, que estabeleceu uma direção correta, transparência, disciplina e segurança jurídica”, destacou.

Henrique Meirelles disse ainda que a economia brasileira vai superar a recessão ainda este ano, crescendo em torno de 0,5%. Para 2018 disse ele espera uma expansão do PIB de cerca de 2,5%.