Rádio Observador

Documentários

Documentário de Susana Sousa Dias “Luz Obscura” distinguido na DocumentaMadrid

"Luz Obscura", documentário de Susana Sousa Dias, feito a partir dos arquivos da PIDE, foi distinguido com a Menção Especial do Júri da Competição Internacional de Longas-Metragens da DocumentaMadrid.

JENS KALAENE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

“Luz Obscura”, novo documentário de Susana Sousa Dias, feito a partir dos arquivos da PIDE, foi distinguido com a Menção Especial do Júri da Competição Internacional de Longas-Metragens da DocumentaMadrid, festival de cinema documental da capital espanhola.

No filme de Susana Sousa Dias o júri destacou “o uso de uma proposta estética e narrativa própria com um desenho sonoro muito cuidado”, promovendo “uma reflexão que transcende e convida a atingir o ‘poço escuro’ da memória”, de acordo com a decisão anunciada na noite de sábado, em Madrid.

Na competição internacional de curtas-metragens, foi igualmente atribuída uma Menção Especial do Júri ao documentário “A gis”, do realizador brasileiro Thiago Carvalhaes, sobre Gisberta Júnior, a mulher transexual assassinada na cidade do Porto, em 2006.

“City of the Sun” (“Cidade do sol”), documentário do realizador georgiano Rati Oneli, sobre uma mina abandonada e o impacto na cidade vizinha, foi o vencedor da Competição Internacional de Longas-Metragens da DocumentaMadrid 2017.

“Machines”, longa-metragem de estreia do realizador de origem indiana Rahul Jain, residente nos Estados Unidos, partilha a menção especial do júri com Susana Sousa Dias, através do testemunho de uma fábrica de têxteis na região de Gujurat, no noroeste da Índia.

O prémio internacional de melhor curta-metragem foi para “Manodopera” (“Mão de obra”, em tradução livre), do grego Loukianos Moshonas.

“Luz Obscura”, de Susana Sousa Dias, insere-se no trabalho de “arqueologia” que a realizadora tem vindo a fazer sobre a ditadura do Estado Novo – e os arquivos da polícia política, em particular – que está também na base de “48”, de 2010, e de “Natureza morta”, de 2005, no qual revisita atualidades da época, reportagens de guerra, documentários de propaganda, além fotografias de prisioneiros políticos.

“Processo-crime 141/53 – Enfermeiras no Estado Novo”, de 2000, o documentário de estreia de Susana Sousa Dias, como realizadora, aborda a situação de enfermeiras, presas durante a ditadura, em Caxias, por se terem oposto à proibição de trabalharem nos hospitais civis, por serem casadas ou viúvas, com filhos.

No mais recente documentário, “Luz Obscura”, Susana Sousa Dias prendeu-se às fotografias de cadastro de presos políticos, em que estes aparecem acompanhados dos seus filhos, centrando-se em particular na família do militante comunista Octávio Pato (1925-1999) – o mais novo dos três irmãos nasceu na clandestinidade e aparece ao colo da mãe, na fotografia da PIDE.

“Ouvimos testemunhos de familiares de comunistas assassinados, explicando como se viram arrastados para processos de humilhação — crianças tratadas como prisioneiros, sendo que muitas delas nunca mais viram os pais”, destaca a realizadora na sinopse do documentário, que teve estreia nacional na sexta-feira, no âmbito do festival IndieLisboa.

“Cidade Pequena”, curta-metragem que valeu a Diogo Costa Amarante o Urso de Ouro no festival de Berlim, foi exibido na secção competitiva Fugas, para filmes “inovadores e ousados e com um acentuado ênfase político e experimental”.

Na competição nacional espanhola da DocumentaMadrid, o prémio de melhor longa-metragem foi para Laura Herrero Garvín por “El Remolino” (“O Remoinho”), uma coprodução mexicana rodada em Chiapas, o de melhor realizador foi para Chico Pereira, por “Donkeyote”, e o de melhor curta-metragem para “25 Cines”, de Luis Macías.

A longa-metragem “We make couples”, do canadiano Mike Hoolboom, e a produção alemã “Find fix finish”, de Mila Zhluktenko e Sylvain Cruiziat, são as vencedoras da secção Fugas.

O DocumentaMadrid – Festival Internacional de Documentário decorreu, desde o passado dia 04, na Cineteca de Madrid.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)