439kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Cuidado, está quente: IIIMPAR

Este artigo tem mais de 5 anos

Três sócios com ideias de fazer um restaurante ímpar transformaram uma antiga casa tradicional no IIIMPAR. É um restaurante que vai direto ao assunto, "sem conceito", dizem.

Do antigo Delfim pouco ou nada restou. Apenas a grelha, junto à cozinha, que aqui só leva carvão biológico.
i

Do antigo Delfim pouco ou nada restou. Apenas a grelha, junto à cozinha, que aqui só leva carvão biológico.

© Tiago Pais / Observador

Do antigo Delfim pouco ou nada restou. Apenas a grelha, junto à cozinha, que aqui só leva carvão biológico.

© Tiago Pais / Observador

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A história

Depois de 23 anos a viver e trabalhar em Luanda, ligado à área da restauração, Jorge Nabo tomou a decisão de voltar a Lisboa e abrir um negócio seu na capital. Respondeu a um anúncio de um espaço disponível para alugar quando, para sua surpresa, encontrou nessa ocasião um velho conhecido, Sérgio Alves, também ele regressado da mesma cidade, com as mesmas intenções.

O que interessa saber

Mostrar Esconder

Nome: IIIMPAR
Abriu em: Março de 2017
Onde fica: Rua Nova de São Mamede, 25 (Rato), Lisboa
O que é: Um restaurante com cozinha de raiz portuguesa mas “sem conceito”, segundo os responsáveis
Quem manda: Três sócios: Jorge Nabo, Sérgio Alves e Nuno Dinis que é o chefe de cozinha
Quanto custa: Em média 12€ ao almoço e 25€ ao jantar
Uma dica: Aposte em tudo o que passa pela grelha, onde usam apenas carvão biológico
Contacto: 927 608 582
Horário: De segunda a sábado, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h
Links importantes: Site; Facebook; Instagram

Os dois uniram esforços, vontades e chamaram, para completar o trio, o chefe Nuno Dinis, que estava a trabalhar com Kiko Martins e fora, em tempos, sub-chefe de Vasco Lello no Bairro Alto Hotel. Jorge já o tinha debaixo de olho: “Um dia que abrisse um restaurante em Lisboa gostava que fosse com ele”, conta. E assim foi. O nome IIIMPAR surgiu depois de várias discussões: “Queríamos fazer um restaurante ímpar, o Nuno falou nessa palavra e como somos três, usámos três is”, esclarece Jorge.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O espaço

Os três sócios ficaram como espaço do antigo Delfim, um restaurante tradicional de raízes minhotas que ali existia há várias décadas. A única coisa que aproveitaram foi a grelha, junto à cozinha. Tudo o resto foi feito de raiz: a sala ficou mais ampla e foi recheada de mobiliário moderno, com destaque para as mesas com tampos em mármore.

As três palavras gravadas na parede resumem o que os responsáveis querem transmitir aos clientes do IIIMPAR. (foto: © Tiago Pais / Observador)

Na parede mandaram gravar três palavras-chave que, segundo Jorge Nabo, resumem bem tudo aquilo que pretendem transmitir aos clientes: conforto, paixão e harmonia. O restaurante tem ainda uma cave que, de momento, não está a ser utilizada. A intenção dos responsáveis será, num futuro próximo, renová-la e abri-la ao público.

A comida

“Não temos um conceito, temos um restaurante”, avisa Jorge Nabo logo à partida. O objetivo dos sócios, no que respeita à oferta, é manter as coisas simples, para evitar que os clientes “se sintam baralhados”. O chefe Nuno Dinis reforça essa intenção: “É uma cozinha de raiz portuguesa, simples, com riqueza no sabor, onde o arroz de tomate sabe a tomate.” A grelha que ficou do Delfim é usada em todas as seções da carta. “Temos, inclusive, uma entrada e uma sobremesa que vão à grelha”, diz Nuno, referindo-se à salada Caprese grelhada (4,30€) e à bebinca (4,90€), que é acompanhada de fruta grelhada.

No IIIMPAR há uma forte aposta nas carnes grelhadas, servidas em diferentes cortes. Na fotografia, o chuletón de novilho (900g).
(foto: © Joao Bettencourt Bacelar / Divulgação)

De resto, tentam apostar na qualidade dos produtos, do peixe que trazem, diariamente, do mercado à carne, apresentada em diferentes cortes e pesos: 300g de vazia de novilho (14€), 350g de acém premium (18€), 900g de chuletón de novilho (39€) ou o clássico bife do lombo(21€). A carne maturada também entra na festa: servem um chuletón de meio quilo de origem galega (29€). Os acompanhamentos são selecionados à parte, ao gosto do freguês. Tudo para facilitar. E ao almoço, a coisa simplifica-se ainda mais: uma sugestão diária — divulgada diariamente nas redes sociais — e cinco sugestões de grelha: vazia de novilho, plumas de porco preto, dourada, lulas e robalo. Todos os pratos custam o mesmo: 9,50€.

A bebida

A garrafeira do IIIMPAR não está escondida da vista dos clientes. Pelo contrário, é uma espécie de despensa envidraçada num dos cantos da sala. “Fizemos assim porque os clientes gostam de entrar e escolher elas próprias os vinhos, olhando para os rótulos”, explica Jorge Nabo. Ainda estão a acumular referências mas já contam com cerca de 60, todas elas nacionais.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.