Rádio Observador

Açores

Festas açorianas do Santo Cristo preparadas com um ano de antecedência

As festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, que arrancam na sexta-feira em Ponta Delgada, começam a ser preparadas "com um ano de antecedência", envolvendo "uma grande logística".

As festas, que têm por referência a imagem do 'Ecce Homo', ao qual são atribuídos poderes milagrosos, são presididas este ano por Edgar da Cunha.

EDUARDO COSTA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, que arrancam na sexta-feira em Ponta Delgada e são uma das maiores festividades açorianas, começam a ser preparadas com “um ano de antecedência”, envolvendo “uma grande logística”.

“Começamos praticamente de um ano para o outro. Fazemos um balanço quando terminam as festas e depois reunimo-nos uma vez por mês. E quando se aproximam as festas começam as reuniões [mais frequentes], às vezes todos os dias”, afirmou o provedor da Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres, Carlos Faria e Maia, em declarações à agência Lusa.

As Festas do Santo Cristo, que decorrem este ano de 19 a 25 de maio, atraem anualmente à ilha de São Miguel milhares de peregrinos de todas as ilhas açorianas e de vários pontos do país e das comunidades de emigrantes.

A mesa da Irmandade, responsável pela preparação das festas, “tem sete elementos, mas no total a organização congrega entre 500 e 600 elementos de várias idades”.

A adesão “tem vindo a aumentar de ano para ano”. “As coisas cada vez são mais difíceis. Mas, há muita adesão dos irmãos para a preparação das festas. Os irmãos aderem sempre que apelamos”, sublinhou o provedor da Irmandade, cuja missão “é promover e divulgar o culto ao Santo Cristo e apoiar famílias carenciadas”, já que mensalmente um grupo de irmãos distribui cabazes por 30 agregados familiares.

As festas, que têm por referência a imagem do ‘Ecce Homo’, ao qual são atribuídos poderes milagrosos, são presididas este ano por Edgar da Cunha, bispo de Fall River (Estados Unidos da América), onde reside uma grande comunidade de emigrantes açorianos.

A procissão do domingo, que percorre as ruas da cidade, num percurso de vários quilómetros ornamentado por tapetes de flores, constitui um dos pontos altos do programa.

No sábado, durante a manhã, centenas de devotos do Santo Cristo percorrem de joelhos o empedrado do campo de São Francisco, no centro da cidade de Ponta Delgada, em pagamento de promessas.

Essas promessas antecedem a procissão da mudança da imagem do ‘Ecce Hommo’, oferecida às freiras Clarissas pelo papa Paulo III há mais de 400 anos e que pesa cerca de 450 quilos.

A imagem é transferida do coro baixo do Convento da Esperança para a igreja anexa. Permanece no convento durante todo o ano, só saindo à rua no quinto fim de semana a seguir à Páscoa.

Carlos Faria e Maia adiantou à Lusa que este ano o tradicional desfile de homenagem ao Santo Cristo feito por motards, bombeiros e polícias, que era realizado no sábado, antes da procissão, passou para segunda-feira.

“O sábado é o dia do peregrino e da promessa e tem que se dar esta prioridade”, justificou, acrescentando que na segunda-feira é feriado municipal.

A capa que a imagem vai ostentar este ano na procissão de domingo só será revelada na quinta-feira em conferência de imprensa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)