Rádio Observador

Drogas

Haxixe apreendido no Mediterrâneo tinha como destino país africano

As 10 toneladas de haxixe apreendidas por autoridades portuguesas no Mediterrâneo tinham como origem Marrocos e como destino outro país do norte de África.

A operação resulta de uma investigação da UNCTE e que conta com a colaboração da Europol, do Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics (MAOC-N), autoridades espanholas, francesas, holandesas e gregas

LUÍS FORRA/LUSA

As 10 toneladas de haxixe apreendidas, esta quinta-feira, por autoridades portuguesas no Mediterrâneo tinham como origem Marrocos e como destino outro país do norte de África, disse o coordenador da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE).

Segundo Artur Vaz, a investigação, que decorria há um ano, culminou com a apreensão de uma embarcação de pesca transformada em barco de recreio que transportava a droga e a detenção de seis homens, dois dos quais portugueses, à saída do estreito de Gibraltar.

Em declarações aos jornalistas, aquele responsável escusou-se a adiantar mais pormenores acerca da operação, que decorreu em águas internacionais, adiantando, contudo, que a investigação prossegue para que a rede seja desmantelada na sua totalidade.

Os 333 fardos com o produto estupefaciente estavam acondicionados num compartimento da embarcação, que navegava com bandeira holandesa, não tendo sido “difícil” para as autoridades encontrarem a droga, acrescentou.

A operação conjunta da Polícia Judiciária, Força Aérea e Marinha portuguesas envolveu vários meios navais e aéreos, um dos quais apetrechado com equipamento de vigilância noturna, o que permitiu seguir a embarcação desde a sua origem até à interseção.

A abordagem marítima foi feita pela Marinha, não tendo havido resistência por parte dos membros da tripulação, disse aos jornalistas o comandante Carvalho e Pinto.

Segundo aquele responsável da Armada Portuguesa “não foram encontradas armas a bordo” durante a “Operação Levante”.

Os seis detidos têm idades entre os 20 e os 61 anos e são suspeitos de integrarem uma “organização criminosa de dimensão transnacional com fortes apoios em Portugal”.

A operação resulta de uma investigação da UNCTE e que conta com a colaboração da Europol, do Maritime Analysis and Operations Centre – Narcotics (MAOC-N), autoridades espanholas, francesas, holandesas e gregas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
305

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
628

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)