Mafra

Músicos europeus no Festival Internacional de Órgão de Mafra de 23 a 28 de maio

261

Músicos de várias catedrais ou festivais europeus participam no Festival Internacional de Órgão de Mafra promovido de 23 a 28 de maio pela Associação das Cidades Europeias com Órgãos Históricos.

De acordo com o programa, a 27 de maio, os seis órgãos históricos da basílica do Palácio de Mafra vão ser tocados por diversos diretores artísticos de várias cidades com órgãos históricos

TIAGO PETINGA/LUSA

Músicos de várias catedrais ou festivais europeus participam no Festival Internacional de Órgão de Mafra promovido de 23 a 28 de maio pela Associação das Cidades Europeias com Órgãos Históricos.

A 27 de maio, os seis órgãos históricos da basílica do Palácio de Mafra vão ser tocados por diversos diretores artísticos de várias cidades com órgãos históricos, de acordo com o programa, a que a agência Lusa teve acesso esta quinta feira.

O português João Vaz (Mafra), o italiano Roberto Antonello (Treviso), o holandês Jan Willem Jansen em representação de Toulouse (França), o italiano Maurizio Croci por Fribourg (Suíça), o norueguês Magne Dragen (Trondheim) e o austríaco Reinhard Jaud (Innsbruck) vão interpretar em conjunto um excerto de “Te Deum” de Marc-Antoine Charpentier (1643-1704), com arranjos de João Vaz para os seis órgãos.

A obra “Battaglia a 8” de Adriano Banchieri (1568-1634) vai ser tocada a quatro mãos pelo holandês Frank van Wijk, em representação da cidade de Alkmaar, e pelo italiano Maurizio Croci. João Vaz e Roberto Antonello tocam a “Toccata Athalanta a 8” de Aurelio Bonelli (1569-1620), com arranjo de Lieuwe Tamminga para dois dos órgãos de Mafra. “A arte da fuga, BWV 1060” de Sebastian Bach (1685-1750) é interpretada pelos holandeses Pieter van Dijk e Frank van Wijk, ambos de Alkmaar. João Vaz, Reinhard Jaud, Magne Dragen e o belga Jean Ferrard interpretam a “Sonata pastorale a quattro organi per la festa di Pentecoste” de Marianus Müller (1724-1780).

O festival abre na terça-feira com um concerto na Igreja do Livramento pelo austríaco Reinhard Jaud, organista na Catedral de Innsbruck, tocando composições de Jan Pieterszoon Sweelinck (1562-1621), Abraham van den Kerckhoven (1627-1702), Johann Krieger (1652-1735), Johann Pachelbel (1653-1706), William Boyce (1711-1779), Georg Christoph Wagenseil (1715-1777), Joseph Haydn (1732-1809) e Ferdinand Norbert Seger (1716-1782).

O segundo concerto acontece no dia seguinte na Igreja da Encarnação, com o norueguês Magne Dragen a interpretar originais seus e obras de Johann Kaspar Kerll (1627-1693), Egil Hovland (1924-2013), Georg Böhm (1661 – 1733), Johann Kaspar Kerll e Claudio Merulo (1533-1604).

No dia 26, o alemão Albrecht Koch, diretor de música e organista da Catedral de Fribourg, apresenta-se a concerto na Igreja de S. Pedro da Ericeira para tocar obras de Johann Kuhnau (1660-1722), Sebastian Bach (1685-1750), Georg Andreas Sorge (1703-1778), Gottfried August Homilius (1714-1785), Christian Heinrich Rinck (1770-1846) e Joseph Haydn (1732-1809).

O festival encerra no dia 28 com um concerto na Igreja do Gradil onde serão interpretadas composições de Georg Böhm (1661-1733), Pablo Bruna (1611-1679) e Rafael Anglès (1730-1816) pelo holandês Jan Willem Jansen, titular do órgão da Basílica Notre-Dame de la Daurade em Toulouse.

O festival integra ainda o concerto de apresentação das obras distinguidas com o Prémio Internacional de Composição Órgãos do Palácio Nacional de Mafra 2017 e a apresentação do livro “Órgãos Históricos de Mafra”, com textos de João Vaz e fotografias de Luís Ramos, no dia 25.

O evento integra-se nas comemorações dos 300 anos desde o início da construção do Palácio de Mafra e nos 20 anos da Associação de Cidades Europeias com Órgãos Históricos. Os concertos são de entrada gratuita.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)