Crime Informático

Ministério Público sofreu ataque informático, mas normalidade está reposta

A Procuradora-geral da República confirmou que a paragem do sistema informático do Ministério Público ficou a dever-se a um ataque informático, mas sublinhou que está reposta a normalidade.

RICARDO GRAÇA/LUSA

A Procuradora-geral da República confirmou que a paragem do sistema informático do Ministério Público ficou a dever-se a um ataque informático, mas sublinhou que está reposta a normalidade e que não foram afetados sistemas críticos.

“Houve um ataque que levou a que fosse abaixo o sistema do Ministério Público (…), afetou ligeiramente o portal e o chamado SIM que é uma intranet com mais algumas funcionalidades do próprio MP. Neste momento está reposta a normalidade”, afirmou Joana Marques Vidal em declarações à margem do Encontro Nacional de Avaliação da Atividade das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens que decorreu em Idanha-a-Nova.

Joana Marques Vidal afirmou que o ataque não atingiu bases de dados com informação sensível nem perturbou os sistemas de despacho de processos.

“A atividade processual no âmbito dos processos do MP não foi minimamente afetada”, afirmou a procuradora-geral, adiantando que o sistema atingido “não é um sistema no qual haja qualquer tipo de tramitação processual”.

Informações iniciais divulgadas pelo Ministério Público referiam não existir certezas sobre se a paragem do sistema informático se tinha devido a avaria ou ataque informático.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Liberalismo

Subir a Avenida da Liberdade no 25 de Abril

Sérgio Loureiro

Gostava mais se fôssemos subir a Avenida da Liberdade. Subir para chegar a um Portugal e uma Europa melhores. Subir para que a Liberdade seja individual e plena, e não apenas a tolerada pelo Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site