“Tratam-me como se eu fosse um delinquente. Não sou nenhum santo, mas também não sou o diabo”, disse este domingo Cristiano Ronaldo, na conferência de imprensa que se seguiu ao jogo que deu a vitória à equipa do avançado português. Bastava um empate em Málaga, mas quis o Real Madrid fazer a festa do 33º título com duas bolas a zero — o Real, agora liderado por Zinedine Zidane, não ganhava o campeonato desde a temporada 2011-2012. No meio das muitas celebrações, e ao contrário do que se poderia esperar, Ronaldo zangou-se e falou de cabeça quente.

“As pessoas falam de mim e não sabem um ‘carajo””, comentou o jogador português, depois de ter sido questionado sobre as imagens polémicas que mostram Ronaldo, em pleno jogo frente ao Celta, a fazer gestos na direção do jogador Cabral — a imprensa espanhola está a interpretar os gestos como uma acusação de que os jogadores daquela equipa terão sido pagos para ganhar ao Real.

https://twitter.com/RMadrid11BR/status/866440907985387521

“Não vejo televisão porque, caso contrário, não teria vida [própria] de tanto que falam sobre mim, no futebol e fora dele. Falam de mim com se fosse um deliquente”, afirmou, referindo que as pessoas (os jornalistas, entenda-se) têm uma ideia errada de quem Cristiano realmente é.

As críticas de futebol não me preocupam porque sei que, quando forem fazer as contas, as pessoas calam-se, [mas] estão sempre com pedras nas mãos”, continuou.

Não sou um santo, mas também não sou o diabo que muita gente diz que sou. Não gosto [de ouvir isso] porque tenho uma família, uma mãe e um filho e não gosto que me ponham ao nível de outros que fazem disparates — eu não os faço”, disse ainda Ronaldo.