Cumprindo-se o desejo do seu actual responsável máximo, o próximo CEO da Volkswagen deverá ser escolhido internamente, de entre os quadros superiores da própria empresa. Em entrevista ao Handelsblatt, Matthias Mueller, actual detentor do cargo, defendeu isso mesmo e confirmou que está já em conversações com a administração da empresa para definir quem poderá ser o seu sucessor.

É que, apesar do contrato do actual CEO da marca de Wolfsburg só terminar em meados de 2020, o processo de escolha de um novo líder deverá arrancar com bastante tempo de antecedência. “É importante, e um sinal para empresa, se o meu sucessor vier das nossas próprias fileiras”, diz ser a sua convicção, realçando ainda que os candidatos devem possuir experiência internacional, mas sem estarem excessivamente dependentes de operações quotidianas. Antes focados em iniciativas estratégicas de carácter mais vasto e abrangente.

Há, ainda, quem destaque a “coincidência” de esta entrevista ter sido publicada no diário alemão no dia seguinte aos procuradores germânicos terem anunciado que irão proceder a uma investigação formal aos executivos da Porsche SE, principal accionista da Volkswagen, que controla 52,2% dos votos na assembleia de accionistas. Em causa estará apurar se informaram atempadamente os mercados dos riscos potenciais advindos do escândalo das emissões protagonizado pela marca.

Matthias Mueller também faz parte da administração da Porsche SE, e já declarou que a empresa não negligenciou as suas obrigações, antes terá cumprido com todas as exigências do mercado de capitais neste particular. Rematando: “Pessoalmente, não tenho nada por que responder.”