O presidente executivo da Altice, Michel Combes, disse esta terça-feira que o grupo tem um plano “verdadeiramente entusiasmante” para Portugal, que considera um ativo “chave”. O ‘rebranding’ faz parte desse plano. Pretendo ir mais frequentemente a Portugal, porque é de facto um ativo-chave para o grupo”, disse Michel Combes, em entrevista à Lusa, em Nova Iorque, onde está numa visita de dois dias para anunciar a adoção da marca global única Altice para todas as operações de telecomunicações do grupo no mundo.

Os planos passam por melhorar a eficiência, investir em novo ‘staff’ e ‘data skills’, em redes, plataformas, novos serviços e novos produtos. “O nosso objetivo é trazer para Portugal novos produtos e serviços nos próximos trimestres. Queremos ser um cidadão forte em Portugal”, disse, sublinhando que a aposta do grupo é a convergência entre as telecomunicações, conteúdos e publicidade. E adiantou que “a intenção é implementar em Portugal a mesma estratégia” de convergência.

Sobre possíveis aquisições na área dos media, o gestor diz que “não há nada em cima da mesa”, mas está atento a todas as oportunidades. Já na área da publicidade, disse que o grupo “tem algumas expectativas” de vir a desenvolver as soluções da Teads (plataforma de publicidade de vídeo digital que acaba de ser comprada pela Altice) e avançou que em Portugal “há oportunidades neste mercado”.

Questionado sobre se essas oportunidades passam pelo Sapo, respondeu: “Temos algumas capacidades no Sapo, mas a estratégia da Teads é ser agnóstica, trabalha com vários ‘publishers’. Portanto, se formos avançar para Portugal teremos exatamente a mesma estratégia”, frisou, esclarecendo que ainda não existem quaisquer negociações em curso. “Mas caso avancemos iremos falar e ver como a Teads pode operar em Portugal”, concluiu.