Empreendedorismo

ANJE vai promover ronda de financiamento para startups portuguesas

Doze empreendedores portugueses vão “vender” os seus projetos à capital de risco Accel Partners, para captarem investimentos que podem ir dos 500 mil aos dez milhões de euros.

A Cuckuu desenvolveu uma aplicação que quer tornar os despertadores mais animados, através da integração de vídeos, fotografias ou notas. É uma das startups que vai disputar o capital da Accel Partners

Autor
  • Cristiana Faria Moreira

As startups portuguesas Muzzley, Cuckuu, D-Orbit, eSolidar, GFoundry, Glexyz, Kinetikos, MITMYMIND, CRIAM, Petable, Tripaya e Kide têm uma missão ambiciosa: “vender”, em dez minutos, o seu projeto e a sua visão do futuro a Laura Grimmelmann, da Accel Partners. Em causa estão valores que podem ir de 500 mil a dez milhões de euros em investimento Seed (semente) e Series A, da capital de risco que já investiu em gigantes tecnológicas como Facebook, Spotify, Slack ou Dropbox. Esta iniciativa da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) faz parte da jornada empreendedora WE’BIZ Talk & SPA Demo Day, que decorre esta terça-feira, na sede da organização, no Porto.

O objetivo, diz o presidente da ANJE, Adelino Costa Matos, é aproximar o “ecossistema português do pelotão de nações que lidera o investimento de capital de risco no continente europeu”. Por isso, a ANJE vai promover uma ronda de investimento com a Accel Partners, considerado um dos dez agentes de investimento de capital de risco de referência no ecossistema global, segundo a Forbes.

Com diferentes objetivos, as startups estão à procura de capital para completar o fit to market (adaptação ao mercado), otimizar o modelo de negócio, arrancar o processo de expansão ou do processo de desenvolvimento dos projetos.

A investidora, com experiência em negócios focados nas áreas de software, dados ou serviços direcionados ao consumidor, vai ainda partilhar detalhes sobre a atividade diária da gestão de investimentos na capital de risco e revelar o perfil de negócios, bem como a tipologia de investimentos procurados.

Trata-se de uma montra de financiamento apetecível para o panorama de investimento nacional e que abre portas para geografias de referência no mercado global, uma vez que a Accel Partners tem papel ativo nos ecossistemas do Reino Unido, Índia e Estados Unidos da América”, referiu o presidente da ANJE, em comunicado.

Esta iniciativa é um dos ponto da programação do evento que é feito das histórias de startups tecnológicas em fase inicial, scaleups portuguesas e internacionais, unicórnios (empresas que valem mais de mil milhões de dólares), mentores e investidores, que vão partilhar as experiências de quem errou, resistiu, cresceu e singrou no mercado global.

De startup a scaleup

Ainda durante o dia, dez projetos que integram o Startup Porto Accelerator, programa de aceleração tecnológico da ANJE com o INESC TEC, vão apresentar os seus negócios perante uma plateia de potenciais clientes e investidores.

Os projetos da Bnesis, Flatcrasher, Framie, Gamestars, Infinite Foundry, Sellit, Promptly, Scrutinit, XTrendi e Cosoftw foram os escolhidos, depois de terem integrado um programa de sete semanas com workshops e sessões intensivas de mentoria sobre gestão de startups, rondas de pitch (apresentação), networking, captação de financiamento, canais de marketing e vendas, exigências legais da criação de negócios em Portugal. Estas sessões foram orientadas por mentores como Cristobal Alonso (líder da Startup Wise Guys), Alina Bezuglova (cofundadora da Rutech Ventures), Dorottya Gál (Head do Techlab Design Terminal), João Guimarães (Teixeira & Guimarães) ou Rui Brás Fernandes (responsável tecnológico da Cisco Portugal).

Este será um momento de avaliação da evolução dos empreendedores desde o início do Startup Porto Accelerator e aferir o seu estado de preparação para a próxima etapa do programa, que inclui a incubação, aceleração, em estruturas da ANJE e do INESC TEC, e uma visita ao ecossistema de Silicon Valley, detalhou Adelino Costa Matos, em comunicado.

Do unicórnio MindMaze ao “falhanço” na Química do ex-Uber Romain David

Na tarde desta terça-feira, o painel “Surfing the Tech Revolution” vai reunir representantes da Uber, Accel Partners, MindMaze e da GoEuro para ajudar empreendedores a definirem os próximos passos para escalarem os seus negócios.

O evento quer partilhar exemplos na primeira pessoa de startups, scaleups e unicórnios que erraram, cresceram e conseguiram ser bem sucedidos no mercado global. A MindMaze, por exemplo, é uma startup unicórnio europeia que desenvolveu uma plataforma de computação capaz de captar a atividade cerebral e criou um novo sistema operativo para computadores, com aplicação nos setores da saúde e dos videojogos.

Romain David combina fracasso, sucesso, tecnologia, investimento, startup, scaleup e unicórnio na sua história. Começou por fracassar quando era estudante de Química, mas acabou por chegar à equipa que desenvolveu o iPhone. Passou depois pela Uber e cofundou a Meexo, uma experiência mobile, desenhada para conhecer novas pessoas, que acabou por ser comprada pela promotora de concertos Live Nation.

Também Jorge Brás, cofundador da Pathena, empresa portuguesa especializada em investimentos em negócios na área das Tecnologias de Informação, vai contar a sua experiência no primeiro exit (momento em que uma startup sai da esfera dos investidores de capital de risco para ser adquirida por outra ou entrar em bolsa) bem sucedido de uma empresa tecnológica em Portugal – a Enabler – que desenvolveu uma solução focada no setor da distribuição.

A jornada empreendedora levada a cabo pela ANJE será encerrada pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que vai dar o pontapé de saída da semana Start & Scale, que vai decorrer de 27 de maio a 3 de junho. É uma iniciativa do ScaleUp Porto, a estratégia do município para o empreendedorismo e inovação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria
189

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos
109

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)