Em conjunto com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente do estado da Saxónia, Stanislaw Tillich, o presidente da Daimler AG, Dieter Zetsche, lançou a primeira pedra daquela que é anunciada como uma das maiores e mais modernas fábricas de baterias do planeta.

Situada em Kamenz, a cerca de 50 km de Dresden, a nova unidade fabril dedicar-se-á à produção de baterias de iões de lítio, cobrindo uma área de cerca de 20 hectares, na vizinhança da outra fábrica do género já detida pelo grupo germânico.

A gestão do complexo, que obrigou a um investimento de 500 milhões de euros, estará a cargo da Accumotive, subsidiária integralmente detida pela Daimler, e prevê-se que a sua produção arranque em meados de 2018, para o que empregará cerca de um milhar de pessoas.

A produção local de baterias é considerada pela Daimler como crucial para a sua ofensiva eléctrica, que em 2022 incluirá mais de 10 modelos de passageiros totalmente eléctricos, nos mais variados segmentos – incluindo o dos SUV de grande porte. O primeiro tem lançamento marcado já para o final da década.

Daimler prego a fundo. Mais de 10 novos eléctricos três anos antes do previsto

A isto há que juntar a chegada das versões híbridas de vários dos actuais modelos da gama da Mercedes, assim como os seus novos comerciais eléctricos. Neste particular, a Fuso eCanter será lançada numa série limitada já no final deste ano; no início de 2018 serão lançadas as variantes eléctricas do Vito e da Sprinter; e também no próximo ano, será lançado um autocarro citadino eléctrico da Mercedes, cujos protótipos andam já em testes de estrada. Tudo para que, em 2025, 15 a 25% do total dos automóveis produzidos pela Daimler sejam já de propulsão eléctrica.

A nova fábrica de baterias foi concebida para ter um impacto nulo em termos de emissões de CO2, recorrendo a energia fornecida por uma central eléctrica e termoeléctrica, por uma central fotovoltaica e mesmo por baterias. Além de baterias para alimentação de motores de propulsão, esta unidade fabril produzirá, igualmente, acumuladores destinados a servir os novos sistemas eléctricos de 48 Volt da Mercedes, a estrear em breve no revisto Classe S, e que no futuro serão gradualmente introduzidos noutros modelos da marca da estrela.