“Queremos Voar”, é o lema da Campanha Pirilampo Mágico 2017 que este ano se associa ao Ano Europeu do Turismo Acessível. A Presidente da Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), Julieta Sanches, explica que o mesmo traduz a ideia de liberdade e emancipação das pessoas com deficiência intelectual. “Voar de diferentes maneiras tem muito a ver com os sonhos destas pessoas. Significa ter autonomia, assumir cada vez mais a sua auto-representação, ter novas oportunidades e respostas para as suas vidas pessoais.”

Começou desta forma a campanha para angariar recursos para as organizações que trabalham com pessoas com deficiência intelectual – Cooperativas de Solidariedade Social (CERCI) e outras entidades envolvidas. Esta iniciativa da FENACERCI, que assinala 30 anos, tem como objetivo-chave sensibilizar a opinião pública para a realidade desta população.

Ao longo dos anos, a campanha “tem ajudado os portugueses a perceber a deficiência intelectual” e tem permitido dar maior visibilidade às pessoas com este problema, garante a Presidente da FENACERCI.

A campanha Pirilampo Mágico 2017 conta com o apoio do Montepio, que já vem cooperando com a FENACERCI e algumas CERCI através de projetos de voluntariado e apoio social. A parceria traduz-se na dinamização da campanha e disponibilização da mascote na sua rede de balcões, na atribuição de um donativo à FENACERCI e na realização de 54 filmes de 1 minuto para apresentação de cada CERCI “Sendo o Banco da Economia Social em Portugal, o Montepio não pode ficar indiferente a esta causa que é uma referência na ajuda a muitas pessoas”, considera José Félix Morgado, Presidente da Caixa Económica Montepio Geral. Com 173 anos de história, a instituição financeira continua profundamente empenhada em “valorizar e apoiar as melhores práticas sociais das organizações”. Para assinalar esta parceria, que os intervenientes desejam poder vir a repetir-se no tempo, o Montepio veste o simpático pirilampo com as suas cores azul e amarelo.

[jwplatform AHF5O2Qy]

O nascimento da Campanha Pirilampo Mágico

A ideia da campanha nasceu em 1986, na sequência de um programa da RDP – Antena 1 no qual se falava dos projetos e dificuldades financeiras da CERCILISBOA. Foi lançada pelo então Diretor de programas da estação, que sugeriu à FENACERCI a realização de uma ação de angariação de fundos a favor das CERCI. No ano seguinte, o pirilampo tornava-se objeto de venda e, para além dos simpáticos vagalumes, são também disponibilizados pins, canecas, chávenas, t-shirts, sacos-mochila e, este ano, o livro “Voar com o Pirilampo Mágico”, produtos cuja venda reverte para 51 associadas da FENACERCI e 34 organizações congéneres, segundo dados cedidos pela Federação. Julieta Sanches acredita que o sucesso desta campanha ocorre em primeiro lugar “porque os portugueses começam a ter um grande respeito pelas pessoas com deficiência intelectual”, reconhecendo o sentido da campanha, e em segundo “porque conhecem o trabalho das organizações – as nossas casas estão abertas a quem nos quiser visitar – e sabem onde gastamos o dinheiro”.

A campanha em números

Mostrar Esconder

A primeira campanha contou com a participação de 38 organizações, e desde então até ao ano passado, venderam-se cerca de 20 milhões de pirilampos, mais de 2 mil pins, cerca de 69 mil t-shirts, perto de 50 mil canecas, mais de 16 mil chávenas e cerca de 70 mil sacos.

Esta é a mais antiga campanha de solidariedade no país e é também das mais acarinhadas pela generalidade dos portugueses. É apadrinhada pelo Presidente da República e por outras figuras públicas que se associam anualmente à campanha.

O aparecimento das cooperativas e a criação da Federação

As CERCI surgiram em 1975 como uma ação conjunta de pais, cidadãos e técnicos ‘preocupados com a problemática das pessoas com deficiência intelectual’. Estas cooperativas propõem ‘dar respostas’ essenciais e ajustadas ao desenvolvimento desta população, apoiando e fomentando a sua inclusão social de diferentes formas. A CERCILISBOA foi a primeira a ser criada, iniciou atividade com um Centro Educacional nos Olivais, e tornou-se uma referência nacional em matéria de Ensino Especial até hoje.

Dez anos depois, em 1985, foi fundada a Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), nascida enquanto órgão representativo das várias CERCI, por vontade e necessidade destas, cabendo-lhe também a dinamização de ações de apoio às cooperativas e de sensibilização da opinião pública.