Rádio Observador

Liberdade Religiosa

Índia. Igreja dedicada a Fátima inaugurada a 13 de maio foi destruída

921

A igreja tinha sido consagrada no dia 13 de maio a Nossa Senhora de Fátima, mas foi vandalizada poucos dias depois. Polícia diz que foi uma disputa de terrenos a motivar a destruição do templo.

Uma pequena igreja dedicada a Nossa Senhora de Fátima em Hyderabad, na Índia, foi esta semana vandalizada por um grupo de cerca de 100 atacantes, que destruíram o altar, o crucifixo e a estátua de Nossa Senhora de Fátima que lá era venerada.

A igreja tinha sido consagrada no dia 13 de maio pelo arcebispo de Hyderabad, D. Thumma Bala, ao mesmo tempo que o Papa Francisco celebrava em Portugal a canonização dos pastorinhos Francisco e Jacinta, a propósito do centenário das aparições de Fátima. Segundo o portal Asia News, este é apenas mais um dos frequentes episódios de intolerância contra a minoria cristã daquele país.

A mesma publicação detalha que o templo foi invadido na manhã do último domingo, 21 de maio, por uma centena de pessoas “furiosas” que partiram o crucifixo e a estátua de Nossa Senhora de Fátima além de um conjunto de outros materiais existentes no interior da capela.

Um vídeo divulgado pelo portal Asia News mostra como ficou o interior da igreja depois do ato de vandalismo

Fonte da polícia explicou ao Asia News que por trás da destruição da igreja está uma disputa pelo terreno onde foi construído o edifício. Um homem chamado George Reddy terá pedido autorização à autarquia para construir o templo, mas ainda estaria à espera da aprovação do seu pedido.

De acordo como um inspetor da polícia citado pelo portal, os residentes da localidade de Keesara sentiram que a construção de uma igreja feria a sua sensibilidade. “Os residentes furiosos protestaram que o dono do terreno tinha construído a igreja de forma ilegal”, afirmou o responsável.

Já o presidente do Conselho Global dos Cristãos Indianos, Sajan George, tem uma perspetiva diferente. “A igreja foi vandalizada por elementos anti-sociais, provavelmente pertencentes a grupos extremistas nacionalistas”, considerou.

O arcebispo de Hyderabad, D. Thumma Bala, lamentou o sucedido, sublinhando que “este ato de profanação, vandalismo e destruição de estátuas fere profundamente os sentimentos religiosos da comunidade católica” e garantiu que a diocese irá trabalhar na reconstrução do templo “depois de a polícia completar a investigação”.

Com cerca de oito milhões de habitantes, a cidade de Hyderabad, na região central da Índia, é uma das principais metrópoles do país. É também nesta região que habita uma das maiores etnias muçulmanas do país: os muçulmanos de Hyderabad, que ocupam uma área que correspondeu, em tempos, ao principado de Hyderabad. A grande maioria deste grupo islâmico viu-se forçado a migrar para o Paquistão depois da separação da Índia, em 1947, mas os muçulmanos ainda representam hoje em dia 14,22% da população indiana.

Os cristãos representam apenas 2,3% da população indiana e, de acordo com o último relatório para a liberdade religiosa publicado pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, tem havido um crescimento no número de ataques contra a minoria cristã naquele país. Em 2014 houve 120 grandes ataques contra cristãos no país, um número que em 2015 subiu para 365 — uma média de um ataque por dia contra minorias cristãs na Índia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

A Ucrânia e os valores cristãos da Europa

Pavlo Klimkin
373

Na Rússia ortodoxa nunca houve liberdade, democracia, abertura, nem tolerância como valores. Portanto, a Rússia não pertence à civilização da Europa, apesar de todas as semelhanças externas. 

Liberdade Religiosa

Os mártires de Tibhirine /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
392

Hoje são beatificados, na Argélia, dezanove novos mártires, entre os quais os sete monges de Tibhirine, que foram argumento do filme ‘Dos homens e dos deuses’.

Liberdade Religiosa

Asia Bibi: ela sim! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
947

Portugal não pode ser insensível a este drama humanitário: mais do que uma questão religiosa, é um caso de justiça e de respeito pelos mais elementares direitos humanos.

Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)