Tech Auto

Vêm aí caixas com três embraiagens e 11 relações

139

Fabricantes como a General Motors ou a Honda estão a desenvolver aquilo que entendem ser a transmissão do futuro: uma caixa de velocidades automática com três embraiagens e 11 relações.

Primeiro 7, depois 8, 9, 10 e, agora, 11 velocidades! Com a entrada de novas normas no horizonte, os fabricantes estão a apostar em novas transmissões, capazes de contribuir para uma maior poupança de combustível, logo, emissões mais reduzidas

Autor
  • Francisco António

Para o cliente “comum”, a vanguarda da tecnologia, em termos de transmissões automáticas, estará nas caixas de dupla embraiagem com relações que podem ir até às 10 velocidades. Mas fabricantes automóveis como a norte-americana General Motors (GM) ou a japonesa Honda parecem estar já um passo (mais) à frente. Isto porque, de acordo com a britânica Car Magazine, ambas estarão a trabalhar numa nova caixa automática de 11 velocidades, mas com três sistemas de embraiagem.

Segundo a mesma publicação, as vantagens desta nova solução, ainda em desenvolvimento, prendem-se desde logo com uma poupança de combustível devido ao maior número de relações, a rondar os 5%, ao mesmo tempo que se garante um maior aproveitamento da melhor faixa de regime do motor – ou seja, aquela em que se alcança o máximo da eficiência, com o mínimo de desperdício. Simultaneamente, a tripla embraiagem assegura uma maior rapidez entre cada troca de velocidade, tornando todo o sistema mais contínuo e progressivo.

Numa altura em que, por exemplo, a Porsche se destaca por possuir uma caixa manual de sete velocidades, ao mesmo tempo que fabricantes como a Ford, GM e Lexus têm já em comercialização transmissões automáticas de dupla embraiagem e 10 velocidades, isto sem esquecer a cada vez maior disseminação de soluções como as DCT de sete relações ou as automáticas de nove velocidades, o surgimento de uma nova transmissão como a que a Honda e a GM estarão a desenvolver acaba por ser, também, uma resposta aos regulamentos cada vez mais restritivos, em termos de emissões, que se preparam para entrar em vigor em 2025. Embora, neste caso, cumprindo as metas, sem cercear aquela que pode ser a resposta plena dos motores.

Há mais à procura da caixa “certa”

Enquanto não existem ainda quaisquer datas para a estreia desta nova solução de transmissão, outros fabricantes procuram fazer igualmente o seu caminho. A começar pelo conhecido fornecedor alemão de transmissões ZF, que já avançou a possibilidade de, dentro de três a cinco anos, as caixas de seis velocidades poderem vir a contar com um motor eléctrico acoplado, capaz não só de servir como relação de arranque ou na ajuda à manobrabilidade, quando a velocidades mais baixas, mas também como mudança de marcha-atrás, através da reversão da polaridade do motor eléctrico.

A par da ZF, também o fornecedor italiano Graziano estará já a testar uma solução robotizada, a qual contempla um motor eléctrico escalonado, como forma de anular a inércia existente nas passagens das mudanças e eliminar o engrenar rígido que geralmente se sente.

Com normas mais apertadas, em termos de consumos e emissões, a entrarem em vigor já a partir de 2025, as transmissões automáticas poderão assim ser um dos elementos capazes de contribuir para que os fabricantes automóveis consigam manter-se dentro da lei. Sem que, para isso, tenham de matar a galinha de ovos de ouro – o prazer de conduzir.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)