Apreensões

GNR apreende mais de 6000 cigarros e quase meia tonelada de folha de tabaco

A GNR do Porto apreendeu mais de seis mil cigarros e quase meia tonelada de folha de tabaco, avaliados em cerca de 74.500 euros, por alegado incumprimento de formalidades legais.

A ação contou com o apoio de militares dos destacamentos de Ação Fiscal de Coimbra, Lisboa, Évora, Faro e elementos da Unidade de Intervenção e da PSP do Porto

INÁCIO ROSA/LUSA

A GNR do Porto apreendeu mais de seis mil cigarros e quase meia tonelada de folha de tabaco, avaliados em cerca de 74.500 euros, por alegado incumprimento de formalidades legais e pagamento de prestações tributárias, foi anunciado esta quinta-feira.

Em comunicado, a GNR refere que estas apreensões foram efetuadas na terça-feira, pela Unidade de Ação Fiscal do destacamento do Porto, no âmbito de um inquérito que decorre há cerca de um ano e que visa a investigação de introdução de elevadas quantidades de folhas de tabaco no país, provenientes de Espanha.

Os cigarros e as folhas de tabaco chegavam a Portugal “sem cumprimento de qualquer formalidade legal e pagamento das respetivas prestações tributárias”, nos distritos do Porto, de Aveiro, de Viana do Castelo e de Setúbal, sendo que depois “eram vendidos diretamente ao consumidor, após trituração e em alguns casos, já manufaturado”, acrescenta a GNR.

No âmbito desta operação, foram constituídas arguidas 13 pessoas e efetuadas 35 buscas (26 domiciliárias e nove não domiciliárias).

Além dos 6.099 cigarros já entubados e dos 413 quilogramas de folha de tabaco, a GNR apreendeu 3.435 euros em dinheiro, cinco armas de fogo, 97 munições de vários calibres, cinco armas brancas, oito veículos, oito telemóveis e um computador, bem como 31 artigos que serviam para a transformação da folha e posterior fabricação dos cigarros.

A GNR estima que a prestação tributária em falta (IVA e Imposto do Tabaco) relativa aos cigarros e à quantidade de folha apreendidos corresponda a 107.469 euros.

A ação contou com o apoio de militares dos destacamentos de Ação Fiscal de Coimbra, Lisboa, Évora, Faro e elementos da Unidade de Intervenção e da PSP do Porto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)