O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai condecorar o músico Pedro Caldeira Cabral, que está a celebrar 50 anos de carreira, com o grau de grande oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Como forma de gratidão de uma comunidade, decidi agraciar com o grau de grande oficial da Ordem do Infante a um dos grandes melómanos portugueses, Pedro Caldeira Cabral”, anunciou esta quinta-feira o chefe de Estado, numa nota divulgada na página da Presidência da República na Internet.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, identificar Pedro Caldeira Cabral como músico “é ao mesmo tempo evidente e insuficiente”, porque “não se trata apenas de um compositor ou de um instrumentista”, mas também de “um investigador” ou mesmo “um militante musical, sobretudo nos campos da música antiga e da guitarra portuguesa”.

“O seu primeiro contacto com a guitarra aconteceu muito cedo, aos oito anos. E nunca mais perdeu o interesse e a paixão por este instrumento, pelas suas inumeráveis variações, incluindo a célebre guitarra portuguesa, mas também o alaúde ou a viola da gamba, entre outros”, refere.

O Presidente da República considera que, “de certo modo, Pedro Caldeira Cabral é um tradicionalista”, que “estudou a história dos instrumentos, a sua morfologia, o seu repertório”, acompanhou fadistas como Vicente da Câmara e Maria Teresa de Noronha e “tocou com instrumentos de época”.

Mas um tradicionalista, neste caso, é alguém que vivifica o seu objeto de estudo e de trabalho. Estudar a guitarra, trabalhar como compositor e executante e colaborar com músicos de diversas áreas (de Fernando Alvim a Vitorino e a Carlos Bica) são outras tantas maneiras de compreender e reavivar a continuidade histórica, uma vez que a música nova é muitas vezes uma reconfiguração nova de formas musicais antigas”, acrescenta.

Pedro Caldeira Cabral apresenta esta quinta-feira no Teatro S. Luiz, em Lisboa, o concerto “A Cítara Portuguesa: Ontem e Hoje”, partilhando o palco com Ricardo Rocha e Luís Marques, como convidados especiais. Este recital desta quinta-feira à noite e uma masterclass na sexta-feira, no Jardim de Inverno deste teatro, são parte da programação celebrativa dos 50 anos de carreira de Pedro Caldeira Cabral.

Nascido em 1950, em Lisboa, Pedro Caldeira Cabral estudou alaúde, viola da gamba e outros instrumentos antigos de corda e de sopro, e dirigiu os grupos La Batalla e Concerto Atlântico, interpretando música antiga em instrumentos históricos.

A Ordem do Infante D. Henrique destina-se a distinguir “quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua história e dos seus valores”.