Rádio Observador

Alojamento Local

Associação e Hotelaria preocupada com “inconstância legislativa” no setor do alojamento local

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal contestou a proposta do PS de tornar obrigatória a autorização dos condomínios para o exercício da atividade de alojamento local.

O PS apresentou o projeto de lei esta terça-feira à Assembleia da República

MARIO CRUZ/LUSA

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP)contestou esta sexta-feira a proposta do PS de tornar obrigatória a autorização dos condomínios para o exercício da atividade de alojamento local, manifestando-se preocupada com a “inconstância legislativa”.

“Esta inconstância legislativa, este desnorte, obviamente que não é positivo para um subsetor tão importante como é o alojamento local”, declarou à agência Lusa a secretária geral da AHRESP, Ana Jacinto, referindo que a associação foi apanhada de surpresa com a proposta legislativa do PS.

Na perspetiva da AHRESP, o projeto de lei dos socialistas foi “uma precipitação infeliz”, pelo que deve ser resolvida com bom senso. “A AHRESP está obviamente preocupada, essencialmente com todos aqueles proprietários que fizeram investimentos e que estão a trabalhar há anos com esta atividade”, afirmou Ana Jacinto, defendendo que “estas precipitações não levam a lado nenhum”.

Neste sentido, a secretária geral da AHRESP aconselha o legislador a ter “muita cautela” para não acabar com a atividade de alojamento local, lembrando que a regeneração e a requalificação que o setor fez nos imóveis também provocaram “uma dinâmica muito interessante para outras atividades”, nomeadamente na restauração, no comércio e nos transportes.

É preciso alguma serenidade, é preciso alguma calma, porque essas precipitações não são úteis para ninguém e é preciso conhecermos o que estamos a fazer”, frisou Ana Jacinto.

Para a responsável da AHRESP, é preciso não esquecer que “o fenómeno do alojamento local não surgiu agora” e que a atividade “não existe só nos grandes centros urbanos como Lisboa ou Porto”. “Esta alteração não é de todo necessária, porque não vai resolver absolutamente nada, muito pelo contrário, o que vai acontecer é que vai pôr em causa todo este subsetor tão importante para a nossa economia e que é complementar à oferta que temos e que é procurado, porque se não houvesse procura também não havia crescimento deste tipo de alojamento”, reforçou a secretária geral da AHRESP.

De acordo com Ana Jacinto, as situações de conflito entre a atividade de alojamento local e os restantes condóminos “são pontuais”. Neste âmbito, a AHRESP tem em curso o programa “Quality”, para a valorização e qualificação do alojamento local, ajudando os empresários do setor a cumprir todas as normas legais e um conjunto de boas práticas no condomínio, desde a questão do ruído à higiene.

O setor tem massa crítica para fazer autorregulação e é com estes projetos de autorregulação, em que procuramos melhorar e, obviamente, criar estas relações positivas com os restantes condóminos, que queremos caminhar, não é com alterações legislativas que metem em causa o próprio negócio”, sustentou a responsável da AHRESP.

Apresentado na terça-feira à Assembleia da República, o projeto de lei do PS pretende “assegurar que a atividade de alojamento local, no caso de prédios urbanos destinados a habitação, não seja exercida com desconsideração dos direitos dos demais condóminos”, acrescentando ao rol de documentos necessários ao registo de estabelecimento de alojamento local a cópia da deliberação da assembleia geral de condóminos que autorize o titular da exploração do estabelecimento a exercer a respetiva atividade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)