O Banco Central do Brasil informou que as contas do Governo registaram um excedente de 12,9 mil milhões de reais (3,4 mil milhões de euros) em abril, o melhor resultado para o mês desde 2015.

O Governo Central, que inclui as contas do governo federal, Banco Central e os débitos do sistema de pensões, obteve um saldo positivo de 11,4 mil milhões de reais (3,1 mil milhões de euros) em abril graças à economia feita para pagamento de juros da dívida pública.

Já os governos regionais (dos Estados e municípios) e as empresas públicas brasileiras tiveram, respetivamente, excedentes de 867 milhões de reais (238,1 milhões de euros) e 590 milhões de reais (162 milhões de euros).

Nos primeiros quatro meses do ano, o setor público consolidado registou um excedente de 15,1 mil milhões de reais (4,1 mil milhões de euros) face aos 4,4 mil milhões de reais (1,2 mil milhões de euros) obtidos no mesmo período de 2016.

No acumulado em doze meses até abril, porém, o país acumula um défice de 145,1 mil milhões de reais (39,8 mil milhões de euros) o que representa 2,29% do Produto Interno Bruto (PIB).

O valor está acima da meta estabelecida pelo Governo brasileiro para o setor público, que prevê um défice máximo de 143,1 mil milhões de reais (39,2 mil milhões de euros).

Se confirmado, este défice será o quarto resultado negativo consecutivo das contas públicas do Brasil, que atravessa a maior recessão económica de sua história.