A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou, esta sexta-feira, na Câmara dos Deputados, mais um pedido de impeachment de Michel Temer. O documento foi entregue pelo presidente da entidade, Cláudio Lamachia. Este foi o mais recente pedido de destituição apresentado, fixando-se o número, assim, em 13 pedidos. O último tinha sido entregue no dia 17 de maio, quando a gravação entre Temer e o empresário Joesley Batista foi revelada.

O documento foi entregue pelo presidente da OAB, Cláudio Lamachia, que chegou acompanhado por outros membros da ordem, relata a Agência Brasil. Acrescentou que mesmo sem saber se os ficheiros de áudio são legítimos, o Presidente do Brasil não negou o encontro com o empresário.

A fita, o áudio da conversa pode até mesmo ter sofrido alguma adaptação ou alguma interferência, mas o fato de o Presidente da República não ter negado que houve os diálogos, torna estes fatos absolutamente incontroversos. E, portanto, na visão da OAB, nós temos aqui presente o crime de responsabilidade do senhor presidente da República”, afirmou Lamachia na chegada à Câmara.

Para o presidente da OAB, o processo de impeachment não traria instabilidade ao país. Este é o terceiro pedido de afastamento feito a Presidentes apresentado pela entidade: o primeiro em 1992 a Fernando Collor e o segundo a Dilma Rousseff, no ano passado.

A decisão de aceitar ou não os pedidos e abrir o processo a Temer cabe ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia.