A candidata do PSD à câmara de Lisboa, Teresa Leal Coelho, pediu neste sábado aos candidatos às autárquicas que ajudem o partido a “estancar a deriva” que diz ser a governação do PS, nomeadamente na capital nos últimos dez anos.

“Temos de estancar esta deriva a que assistimos em Lisboa. Há 10 anos que os lisboetas e aqueles que querem viver em Lisboa vão perdendo cada vez mais qualidade de vida e vão perdendo mais condições de reunir a família na cidade onde sonham viver. Temos de alterar esta política e é isso que farei com a minha política e com todos os presidentes de junta que vamos eleger”, disse Teresa Leal Coelho.

A candidata social-democrata, que falava na Maia, distrito do Porto, onde decorre esta tarde a Convenção Autárquica Nacional do PSD, frisou que se candidata a Lisboa “para ganhar a câmara porque as pessoas foram esquecidas nos últimos dez anos”, insistindo, ao longo do seu discurso, na falta de condições da cidade para quem lá quer morar.

“Não queremos expulsar os turistas de Lisboa, mas não queremos que os turistas expulsem as pessoas (?). Estamos a assistir a que a nossa capital não tem capacidade para juntar gerações. A nossa cidade tem vindo a perder sistematicamente residentes. A nossa preocupação vai para as pessoas. A minha primeira preocupação vai para juntar as famílias na cidade de Lisboa”, referiu.

Teresa Leal Coelho disse que vivem na capital cerca de 125 mil pessoas com idades acima dos 65 anos e que essas pessoas têm os filhos e os netos fora de Lisboa porque, disse a candidata, “atualmente a grande preocupação é o turismo e os investimentos imobiliários e não garantir condições de vida dignas de habitabilidade”.

“Nós vamos inverter isso. Nós temos um projeto e uma estratégia para Lisboa. Vamos recuperar Lisboa para os lisboetas e não ter em Lisboa um enorme palco de consagração de programas de exibição”, apontou, nomeando a ação Social como grande prioridade.

Por fim, depois de criticar a municipalização da Carris, porque segundo a candidata à câmara “não tem condições para prestar um bom serviço aos lisboetas”, Teresa Leal Coelho disse que “aquilo que o PS habituou seja na câmara, nas juntas ou no Governo, é utilizar os recursos para a festa e para a propaganda e não para melhorar as condições de vida das pessoas”.

A sessão, que reúne mais de 700 candidatos às eleições agendadas para 01 de outubro, é encerrada pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho.