A Turquia emitiu esta sexta-feira um mandado de detenção contra um jogador turco de NBA, Enes Kanter, por alegar pertencer a um grupo terrorista, avança o jornal turco Daily Sabah, próximo do regime de Recep Tayyp Erdogan. Segundo aquele jornal, o mandado foi emitido por um tribunal turco depois de um procurador de Istambul ter aberto uma investigação sobre a alegada participação de Kanter “numa organização terrorista armada”.

O basquetebolista de 25 anos reside em Oklahoma, EUA, uma vez que joga no Oklahoma City Thunder, e ainda esta semana dizia à ESPN que há dois anos que não contacta a sua família na Turquia com medo de que sofra represálias do governo de Erdogan. O pai, inclusive, já ficou sem emprego. E esta semana o jogador ficou detido num aeroporto romeno depois de ter visto o seu passaporte turco ser cancelado.

Em causa estão as críticas que o jogador da NBA faz ao regime do presidente Erdogan e o suposto apoio ao movimento cívico de Fethullah Gülen, um teólogo e ativista turco, fundador do Movimento Gülen, que visa o diálogo, a educação e a paz social.

O governo de Erdogan acusa o Movimento Gülen de ter ordenado o golpe de Estado que, em julho passado, tentou derrubar o regime turco, mas sem sucesso. As autoridades turcas referem-se àquele movimento como a Organização Terrorista Fethullah (FETO, na sigla inglesa), e é com base nas supostas ligações de Kanter àquele grupo terrorista que os tribunais turcos emitiram o mandado de captura.

Segundo a imprensa turca, os fundamentos do mandado referem-se ao facto de Kanter ter supostamente aderido a uma aplicação de mensagens encriptadas chamada Bylock, que é usada pelos apoiantes de Gülen. O texto refere-se ainda a mensagens que o jogador terá publicado nas redes sociais a “engrandecer uma organização terrorista”.

No Twitter, o jogador de origem suíça partilhou um excerto da notícia que dá conta do mandado de detenção em seu nome e, em turco, reage com uma gargalhada “ahahah”, dizendo: “Não me vão apanhar, não gastem as vossas energias”. E ainda acrescenta: “Eu vou à mesma [à Turquia] para cuspir nas vossas caras feias”.

O jornal turco acrescenta que o Ministério Público iria ainda requerer um alerta vermelho da Interpol, que serve para informar os 190 Estados-membros da Interpol de que determinada pessoa é alvo de um mandado de detenção, para desta forma garantir a sua deportação.

Enes Kanter chegou a ser detido na Roménia, pouco antes de saber que o seu passaporte turco tinha sido anulado. Tendo chegado a comparar o presidente turco Erdogan a Adolf Hitler, Kanter relacionou o cancelamento do seu passaporte às críticas que tem feito ao governo, e recentemente anunciou que iria pedir cidadania norte-americana.