Há muito que os cientistas investigam de que modo o aquecimento global poderia afetar o bem estar dos seres humanos. Uma das respostas foi dada por uma equipa da Universidade de Harvard: as insónias são a nova consequência das alterações de temperaturas causadas pelo aquecimento global.

A equipa do Belfer Center for Science & International Affairs, liderada por Nick Obradovich, num artigo publicado na revista Science Advances, revelou que o aquecimento global vai dificultar os sonos das pessoas, o que fará com que, por consequência, fiquem mais mal-humoradas.

Os resultados foram obtidos através de uma comparação das respostas sobre sono e temperaturas locais obtidas de um inquérito feito a 765 mil americanos, entre 2002 e 2011. Nas respostas, Obradovich encontrou uma correlação entre temperaturas mais altas em cidades particulares e o sono perturbado. O pesquisador alertou, ainda, para o aumento dos erros cognitivos que as pessoas fazem quando dormem mal.

Os alunos aprendem mal quando não dormem e a consistente falta de sono prejudica a saúde das pessoas. O sono é tão fundamental em todos os aspetos de nossas vidas que ter o clima a interrompê-lo durante muitos dias por mês trará um verdadeiro custo que se deve considerar seriamente”, concluiu Obradovich.

Os mais afetados serão as pessoas com dificuldades económicas uma vez que têm menos possibilidades de ter ar condicionados ou soluções que baixem as temperaturas. Os idosos serão mais afetados devido ao facto de serem a faixa etária com mais dificuldades em regular a temperatura corporal.