Além de Salman Abedi e das 11 pessoas já detidas, deverá haver mais responsáveis pelo ataque à bomba em Manchester a monte. Quem o diz é a secretária de Estado britânica para os Assuntos Internos, Amber Rudd, que garante que a operação para apanhar aquilo que as autoridades acreditam ser uma rede de bombistas prossegue “a toda a velocidade”. Segundo a governante, em declarações à televisão britânica BBC1, “é muito provável” que outros membros do grupo de Abedi estejam ainda a monte. “Mas não teremos a certeza até a operação estar terminada”, disse.

Tudo indica que Salman Abedi, o bombista suicida de 22 que se fez explodir no Manchester Arena, não tenha agido sozinho no ataque que vitimou 22 pessoas e fez 75 feridos, entre adolescentes e crianças que assistiam ao concerto de Ariana Grande. Logo no início desta semana, numa curta conferência de imprensa, o chefe da Polícia de Manchester, Ian Hopkins, já tinha afirmado que “é bastante claro que estamos a investigar uma rede”.

A bomba usada por Abedi terá sido fabricada por outra pessoa e o jovem de 22 anos poderá ter sido apenas o que ficou encarregue de a transportar até ao local. Logo após o atentado, Amber Rudd disse que o atentado “foi mais sofisticado” do que outros levados a cabo no país e que “parece provável que ele não tenha feito isto sozinho”.

O que já se sabe do bombista suicida de Manchester, Salman Abedi

Em declarações à BBC1 este domingo, a secretária de Estado alertou para o facto de esta ser uma operação que ainda decorre. Logo, poderá haver mais suspeitos ainda não identificados. “Há 11 pessoas detidas, mas a operação ainda prossegue a toda a velocidade. Até estar completa não podemos ter a certeza de que o caso está encerrado”, disse.

Sobre o modo de atuação de Salman Abedi, Amber Rudd diz que o caso está a ser estudado pelos serviços de inteligência. “Os serviços de inteligência estão a recolher informação sobre ele e sobre as pessoas à sua volta. Mas não quero apressar conclusões”, diz, sublinhando que o ataque na noite de segunda-feira evidencia “a dimensão do problema que temos em mão”, com os militantes do Estado Islâmico a tentar instrumentalizar os jovens da sociedade ocidental.

As declarações da secretária de Estado surgem um dia depois de a polícia de Manchester ter divulgado as imagens de Salman Abedi captadas pelas câmaras de videovigilância momentos antes de se fazer explodir. E de o nível de alerta ter baixado de crítico para severo.

Os 11 detidos no decorrer das operações permanecem em custódia policial.