Um homem de 35 anos foi preso após ter atacado a tiro três casas na zona rural do Estado do Mississipi, provocando oito mortos, incluindo um polícia. “Não mereço viver, não depois do que fiz”, afirmou Willie Corey Godbolt ao jornal diário The Clario-Ledger, citado pela Associated Press (AP), depois de ter sido algemado pelas autoridades.

Os ataques tiveram lugar no sábado à noite em duas localidades, Brookhaven e Bogue Chitto, situadas a cerca de 110 quilómetros de Jackson, a capital do Mississipi, especificou Warren Strain, do Departamento de Investigação daquela cidade. Strain revelou que as acusações ainda não estão fechadas e que ainda é cedo para dizer qual o motivo para os ataques, não tendo sido divulgados detalhes sobre a relação entre Godbolt e as vítimas.

Porém, o próprio Godbolt deu algumas informações, pouco claras, sobre o que se passou numa entrevista em vídeo ao The Clario-Ledger, enquanto se encontrava sentado à beira da estrada com as mãos algemadas. O suspeito disse que estava a falar com a sua mulher e membros da família dela quando alguém chamou as autoridades. “Estava a conversar com a minha mulher, a sua mãe e o seu padrasto, sobre levar os meus filhos para casa, quando alguém ligou à polícia, pessoas que nem sequer vivem em casa. Foi isso que fizeram, intervieram”, afirmou.

O polícia abatido foi identificado como William Durr, 36 anos. A identidade das outras sete vítimas mortais ainda não foi divulgada. Godbolt disse ainda que não queria ser capturado vivo pela polícia, dando a entender que se pretendia suicidar. “A minha intenção era fazer com que Deus me matasse. Fiquei sem balas”, revelou.

O tiroteio ocorreu durante a noite de sábado em três casas da zona rural do condado de Lincoln, a cerca de 100 quilómetros da capital Jackson, Mississípi. O jornal The Clarion Ledger captou em vídeo o momento da detenção do homem, estando identificado como sendo Cory Godbolt.