Sem dúvida um dos automóveis mais aguardados dos últimos tempos, o Project One é o hiperdesportivo criado pela Mercedes-AMG como pináculo das comemorações do seu 50º aniversário. Aos poucos, a divisão desportiva da marca da estrela tem vindo a revelar alguns dados fundamentais da que será a sua mais espectacular criação até ao momento – mas nunca, como nas passadas 24 Horas de Nürburgring, foi tão clara e taxativa acerca das suas características.

Num encontro com alguns jornalistas antes do arranque da grande maratona de resistência, a Mercedes-AMG não só desvendou o essencial do Project One, como mostrou uma maqueta em que foi possível observar, ao vivo e a cores, os seus principais componentes mecânicos. Tem dúvidas? Então, não perca o vídeo publicado pelos nossos colegas da Motor Talk.

Aí poderá confirmar que o Project One vai mesmo recorrer a uma versão ligeiramente modificada do grupo motopropulsor utilizado pelo seu monolugar W07, o ainda campeão em título da Fórmula 1, pelas mãos de Nico Rosberg. O motor de combustão é um V6 de 1,6 litros capaz de fazer 11.000 rpm, sobrealimentado por um turbocompressor de generosas dimensões, “dividido” em duas partes: o compressor instalado na dianteira do V6, a turbina na traseira, estando os dois elementos ligados por um veio actuado por um motor eléctrico, capaz de garantir uma resposta instantânea.

Além deste, o grupo motopropulsor do Project One incluirá mais três motores eléctricos. Em cada uma das rodas dianteiras estará instalada uma unidade com 163 cv, cuja potência poderá ser modulada pelo sistema de vectorização de binário, assegurando ainda a tracção integral. Directamente ligado à cambota do V6 estará um motor eléctrico com 136 cv.

Com o motor de combustão a render qualquer coisa como 748 cv, e os motores eléctricos a garantirem mais 408 cv, prova-se, assim, que a potência combinada do hiperdesportivo germânico facilmente superará os 1000 cv. Por seu turno, as baterias de 800 Volt, instaladas no centro da plataforma, estarão aptas a garantir ao Project One uma autonomia de 25 km no modo totalmente eléctrico, no qual o veículo é animado exclusivamente pelas rodas dianteiras. Ou seja, e como referem os próprios responsáveis da AMG, pouco mais do que o suficiente para não incomodar os vizinhos quando se sai ou chega a casa…

A configuração mecânica do Projet One inclui ainda uma caixa automática de oito velocidades totalmente nova, que faz parte integrante do chassi, o que permite não só aumentar a rigidez estrutural do veículo, como reduzir o peso. A este propósito, várias medidas para tornar o Project One tão ligeiro quanto possível, incluindo as condutas dos sistemas de admissão e de sobrealimentação em fibra de carbono, terão permitido que o peso total do modelo fique marginalmente aquém dos 1.000 kg, só o chassi pesando 420 kg.

Ainda por confirmar, tudo aponta, também, para que a Mercedes-AMG venha a produzir não mais do que 275 exemplares do Project One, os quais deverão ter já comprador atribuído por alturas da sua apresentação oficial, agendada para Setembro próximo, no Salão de Frankfurt.

O preço certamente superior a 2 milhões euros faz pressupor que estes serão clientes capazes de relevar questões que farão parte das preocupações da maioria dos comuns mortais, mas nem por isso deixarão de gostar de saber que a mecânica do Project One só terá de ser sujeita a revisão profunda a cada 50 mil quilómetros – atributo que, a confirmar-se, não deixará de assumir-se como notável para um automóvel com estas características.