A União Europeia terá chegado finalmente a acordo quanto a um novo conjunto de regulamentos, mais restritivos, que passarão a ser aplicados na homologação de carros novos, para comercialização no chamado Mercado Único. Sendo que, segundo avança a agência noticiosa Reuters, nem mesmo a oposição da Alemanha terá sido suficiente para impedir que a Comissão Europeia ganhasse mais poder na forma como passará a lidar (e pressionar) com os construtores automóveis.

Este novo conjunto de regras, do qual ainda pouco se sabe, a não ser que terá de ser discutido no Parlamento Europeu, apresenta-se como uma resposta da União Europeia não só ao escândalo Dieselgate despoletado nos EUA e que teve o Grupo Volkswagen como protagonista, mas também a todos os rumores que dão conta de que outros construtores automóveis aplicam as mesmas práticas fraudulentas para manipular as emissões de CO2.

As medidas que, em caso de aprovação por parte do Parlamento Europeu, passarão a vigorar no espaço da União Europeia, resultam de uma já longa negociação entre os Estados-membros, tendo agora sido aprovadas, num conselho de ministros, por uma maioria qualificada, anunciou a presidência do Conselho Europeu, actualmente na posse de Malta.

Recorde-se que, ainda no início deste mês, os Estados-membros acordaram num texto preliminar que, entre outros aspectos, dá poderes à Comissão Europeia para aplicar multas de até 30 mil euros por veículo, aos construtores automóveis que sejam apanhados a tentar enganar os testes.