Venezuela

Goldman Sachs compra dívida à Venezuela e ajuda governo de Maduro

2.155

Banco norte-americano comprou dívida venezuelana na esperança de triplicar lucros com mudança e estabilização do regime. Oposição acusa banco de estar a ajudar governo de Maduro a sobreviver.

AFP/Getty Images

O banco de investimento norte-americano Goldman Sachs comprou 2,8 mil milhões de dólares de dívida venezuelana ao Banco Central da Venezuela por 865 milhões de euros, numa altura em que o governo de Nicolas Maduro precisa desesperadamente de dinheiro, um negócio que está a ser duramente criticado pela oposição venezuelana.

De acordo com o Wall Street Journal, o Goldman Sachs terá pago apenas 31% do valor facial de 2,8 mil milhões de dólares desta dívida da empresa Petróleos da Venezuela que era detida pelo banco central e que vence em 2022.

Esta injeção de dinheiro nos cofres do banco central pode ser vital para o presidente Nicolas Maduro, que enfrenta uma dura contestação interna, com protestos nas ruas venezuelanas e a sua popularidade a cair a pique, e é acusado por vários governos do ocidente de vários abusos de direitos humanos.

Numa altura em que a escassez de alimentos e medicamentos é cada vez maior, e com uma economia que contraiu cerca de 27% desde 2013 e cuja inflação deve chegar aos 720% este ano, de acordo com o FMI, Maduro tem reagido aos protestos com tropas nas ruas — já morreram pelo menos 60 pessoas — e com a tentativa de mudar a Constituição para reforçar ainda mais o seu poder.

Neste contexto, o investimento da Goldman Sachs no país caiu mal entre os detratores do regime, que têm feito uma campanha para bloquear as instituições financeiras internacionais de fazer negócios com o regime em dificuldades.

“O Goldman está colocar-se do lado errado da história com este negócio. (…) É um grave erro reputacional”, disse Angel Alvarado, um deputado da oposição venezuelana, acrescentando que considera que esta é uma má decisão, não apenas do ponto de vista ético, mas também como decisão de negócios, dizendo que se chegar à liderança do país, impedirá os negócios com este banco.

Segundo o jornal norte-americano, o Goldman Sachs terá vindo a aumentar de forma gradual o seu investimento no país, apostando na compra de dívida com descontos significativos que depois valorizaria substancialmente com a mudança de regime para uma situação mais estável. Os ganhos podem ser substanciais caso, de facto, a situação estabilize, mas o banco pode não só estar a evitar que o regime mude emprestando o dinheiro que o regime tão desesperadamente precisa para se manter vivo, mas também a arriscar-se perder tudo caso a situação se mantenha e o país entre em incumprimento.

Só no caso desta dívida, e sem contar sequer com os juros que anuais que estas obrigações terão de pagar, o Goldman Sachs poderá ter um lucro de mais de 1900 milhões de dólares, numa aposta no qual gastou menos de 900 milhões.

A dívida da Venezuela que o Goldman Sachs tem vindo a comprar, segundo o Wall Street Journal, tem condições semelhantes a esta mais recente operação. Devido aos anos de incumprimento e à instabilidade no país, os investidores preferem desfazer-se da dívida que detêm, mesmo que por uma fração daquilo que pagaram originalmente. Também o governo, desesperado por dinheiro, especialmente em moeda estrangeira, tem vendido a dívida pública, e das suas maiores empresas, a muito baixo custo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)