A polícia de Marrocos deteve esta segunda-feira o líder da contestação popular que afeta o norte de Marrocos há seis meses, Nasser Zefzafi, informou fonte governamental. “Zefzafi foi detido”, anunciou a fonte, citada pela AFP. O líder do movimento de contestação popular que há meses desafia o poder era procurado desde sexta-feira à noite pela polícia por ter interrompido a oração de um imã numa mesquita na cidade de Al-Hoceima (norte).

O desempregado de 39 anos tornou-se, nos últimos meses, o rosto do movimento popular, o “hirak” (o movimento), que tem organizado manifestações frequentes na região do Rif desde a morte, em outubro de 2016, de um vendedor de peixe, esmagado por acidente num camião do lixo.

O incidente suscitou indignação no país, que assumiu em Al-Hoceima a forma de um movimento mais social e político. Animado por um pequeno grupo de ativistas locais, o movimento apresenta numerosas reivindicações para o desenvolvimento da região do Rif, que considera marginalizado, num discurso identitário com referências conservadoras e islamitas.

Em protestos inflamados publicados no Facebook, Zefzafi desafiava o poder, denunciando a “ditadura”, “a corrupção” ou a “repressão” do “Estado polícia”.

Na sexta-feira, interrompeu a oração de um imã durante uma celebração na mesquita Mohammed V, a principal de Al-Hoceima. Segundo o mandado de detenção, Zefzafi é acusado de ter insultado o imã, “pronunciado um discurso provocador” e “semeado a confusão”.