G20

Moody’s prevê que economias do G20 cresçam 3,1% em 2017 e 2018

A agência de notação financeira Moody's prevê uma aceleração do crescimento mundial em 2017, com uma subida de 3,1% para as economias do G20, tanto este ano como no próximo.

Em relação à zona euro, a Moody's prevê que a manutenção do crescimento vai permitir melhorar gradualmente o índice de desemprego

ANDREW GOMBERT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A agência de notação financeira Moody’s prevê uma aceleração do crescimento mundial em 2017, com uma subida de 3,1% para as economias do G20, tanto este ano como no próximo. No seu último relatório sobre as perspetivas globais, a agência justifica este crescimento com a diminuição dos riscos para os países mais desenvolvidos e a força dos mercados emergentes.

A Moody’s prevê que os países da zona euro abrandem o seu crescimento dos 1,7% registados em 2016 para 1,4% em 2017 e 2018, que será apoiado na manutenção da política monetária, no crescimento do emprego e no fortalecimento da economia global. A isto a agência adiciona o resultado eleitoral em França, que afastou o risco de outra grande economia abandonar a União Europeia, como fez o Reino Unido.

Para a economia britânica é esperada uma moderação no crescimento dos 1,8% de 2016 para 1,5% em 2017 e 1% em 2018, devido à diminuição do consumo privado, motivado pela subida da inflação e diminuição do investimento, gerados pela incerteza relacionada com o ‘brexit’.

Em relação à zona euro, a Moody’s prevê que a manutenção do crescimento vai permitir melhorar gradualmente o índice de desemprego, mas chama a atenção para países como Espanha, Itália e França, onde o desemprego de longa duração e entre os jovens está acima da média, com as respetivas consequências que isso causa à produtividade da economia.

Sobre os Estados Unidos, país em que prevê uma aceleração do crescimento de 2,4% em 2017 e 2,5% em 2018, a agência destaca que diminuiu o risco de políticas protecionistas que possam prejudicar o crescimento mundial, mas alerta para o sobreaquecimento da economia que levará a uma escalada da inflação, subida das taxas de juro e um dólar mais forte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)