A mesquita principal de Manchester recusou fazer o funeral de Salman Abedi, o bombista suicida de 22 anos que a 22 de maio matou 22 pessoas, incluindo crianças e adolescentes, e feriu outras 64 num concerto da artista norte-americana Ariana Grande. O corpo estará desde a semana passada numa morgue fora da cidade de Manchester, segundo o Daily Mail. E nenhuma das mesquitas ou agências funerárias da cidade quer ficar responsável por ele.

De acordo com um jornal local, as autoridades municipais estarão a fazer “tudo o que está em seu poder” para impedir que o corpo do terrorista seja cremado ou enterrado na zona de Manchester. De qualquer forma, quem vai decidir sobre o destino a dar ao corpo — que nunca terá estado no mesmo sítio onde estão os corpos das vítimas, garantiu uma fonte ao Manchester Evening News — será o médico legista.

Salman Abedi nasceu em 1994, na cidade de Manchester, no seio de uma família de origem líbia. É o terceiro de quatro filhos e a 22 de maio entrou na Manchester Arena vestido com um casaco preto, um boné e a mochila, na qual transportava a bomba que fez explodir. A polícia acredita que Salman construiu a bomba num apartamento que arrendou através da plataforma Airbnb, em Granby Row, no centro da cidade.

Polícia revela imagem do bombista de Manchester momentos antes de matar 22 pessoas