Na última semana desembarcaram no Funchal quase duas centenas de emigrantes madeirenses oriundos da Venezuela, emigrantes que partiram do Panamá e viajaram a bordo de um paquete. Outros chegam de avião, habitualmente via Madrid. E chegam praticamente todos os dias.

A sua chegada faz-se (ou começa a fazer-se) sentir nos “cofres” madeirenses: ao todo, e desde o começo do ano, perto de mil ex-emigrantes na Venezuela inscreveram-se no Instituto de Emprego da Madeira. Isto contabilizando apenas os que têm nacionalidade portuguesesa. Mas há igualmente os casos dos luso-descendentes que não a têm; o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras registou mais de duas centenas de pedidos de autorização de residência de cidadãos venezuelanos nos últimos meses.

Ao Público, a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, explicou que este regresso de emigrantes fez disparar a despesa com prestações sociais na Madeira: “Temos assistido a um aumento no número de inscritos no Instituto de Emprego de pessoas que estavam na Venezuela”. Os números oficiais apontam para cerca de 19 mil desempregados no final de abril.

A secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais tem recebido igualmente pedidos para habitação social, Rendimento Social de Inserção, emergência alimentar e apoio para medicação. “Estes programas envolvem 279 pessoas e rondam cerca de 100 mil euros mensais”, explicou ao Público Rubina Leal.

Desde que as manifestações pró e contra Nicolás Maduro se intensificaram, intensificou-se também o caos na económico, político e social na Venezuela. E quase tudo escasseia no país. Desde logo os medicamentos. Desde Janeiro, o governo regional da Madeira já gastou mais meio milhão de euros com as comparticipações de medicamentos. Parte da despesa está relacionada com o envio de medicamentos de ex-emigrantes na Venezuela para aqueles que ainda lá vivem.

Segundo estimativas do Ministério dos Negócios Estrangeiros, na Venezuela vivem perto de meio milhão de portugueses e luso-descendentes. Cerca de 300 mil são madeirenses ou descendentes de madeirenses.