A primeira-ministra britânica, Theresa May, e o líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, apresentaram esta quinta-feira visões contraditórias dos riscos e vantagens do ‘Brexit’, quando falta uma semana para as eleições legislativas.

Theresa May disse esta quinta-feira aos eleitores que a saída do Reino Unido da União Europeia permite aos britânicos libertar-se das “grilhetas” europeias e construir um futuro melhor para o país. May disse ainda que colocar Corbyn à frente das delicadas negociações de saída com a UE seria “um desastre” porque ele “não tem um plano” e “não acredita no Reino Unido”.

Corbyn por seu lado advertiu os eleitores para o risco de os Conservadores de May “saírem com estrondo” da UE, sem conseguir fechar um acordo de comércio, produzindo um “desastre económico” para o país. Pedindo apoio para o seu programa de “justiça social”, o líder trabalhista advertiu que a saída sem acordo que os conservadores admitem colocaria em risco “empregos e padrões de vida”.

Corbyn prometeu também “garantir os direitos” dos cidadãos europeus residentes no país, por ser a “atitude decente” e “claramente a melhor forma” de conseguir que os outros países garantam os direitos dos britânicos residentes na UE.