Protagonizaram um dos maiores escândalos dos anos 90 nos Estados Unidos e no mundo. Agora, vinte anos depois da primeira detenção dela, por violação daquele que era seu aluno, 22 anos mais novo, Mary Kay Letourneau e Vili Fualaau voltam a ser notícia.

Casados há 12 anos, desde maio de 2005, e pais de duas raparigas, Audrey, de 19, e Georgia, de 18, a ex-professora e o ex-aluno estão a divorciar-se, anunciou a imprensa norte-americana, desde o site TMZ ao Washington Post.

Nem por isso será o fim do “amor proibido e impossível” que, depois de chocar o mundo, acabou por ter direito a casamento emitido na televisão, um livro publicado (“Apenas um Crime, o Amor”) e até um telefilme (5,6 estrelas em 10 no IMDB). “Isto não é aquilo que vocês pensam. Está tudo bem entre nós. Claro que continuamos apaixonados. Um pedaço de papel não muda isso”, apressou-se Vili, agora com 33 anos, a explicar aos media.

Aparentemente, o divórcio será apenas para inglês ver. Melhor: para os responsáveis da Cigaweed, uma empresa do estado de Washington que comercializa cigarros de canábis, verem. Vili, que foi DJ toda a vida adulta, quer agora trabalhar como distribuidor do produto, em Seattle. E, para isso, precisa de uma licença. “Quando queres obter uma licença, eles vão inspecionar os teus antecedentes e os do teu cônjuge. Ela tem um passado, tem uma história”, disse ao site Radar Online, aludindo ao cadastro de Mary Kay, que continua registada na lista de criminosos sexuais.

Agora com 55 anos, Mary Kay Letourneau tinha 33 quando, casada e mãe de quatro filhos, se apaixonou pelo aluno Vili, à data no 6º ano. Quando foi detida pela primeira vez, por violação, em março de 1997, depois de uma denúncia de um familiar do então marido, Letourneau já estava grávida.

Cumpriu três dos seis meses de prisão a que foi condenada mas não cumpriu a ordem de restrição que lhe foi imposta relativamente a Vili, e pouco tempo depois de ser libertada e do nascimento de Audrey, foi apanhada num carro com ele.

Condenada a 7 anos de cadeia, a ex-professora só seria libertada em 2004 — Georgia nasceu na prisão.

Quando finalmente regressou a casa, aos 42, Vili já tinha 21 mas a ordem de restrição decretada pelo tribunal mantinha-se. Só depois de o ex-aluno fazer um requerimento para a remover é que, em 2005, Mary Kay e Vili puderam finalmente casar-se, numa cerimónia para 250 convidados e transmissão televisiva (terão recebido um cheque com seis dígitos pelos direitos, diz o Washington Post).