Os suspeitos de homicídio do empresário de Braga, João Paulo Fernandes, podem ser libertados nos próximos dias devido a um erro judicial. De acordo com o Jornal de Notícias, uma decisão do Tribunal da Relação do Porto declarou nulos os dois interrogatórios de arguidos que decorreram no Tribunal de Instrução Criminal do Porto, por terem sido feitos sem a presença dos restantes acusados.

O crime de que é acusada a chamada Máfia de Braga envolveu o desaparecimento do empresário bracarense, cujo corpo terá sido dissolvido em ácido para não deixar qualquer rasto. O julgamento tinha o início marcado para esta quinta-feira, dia em que foi decidida a decisão do tribunal que poderá implicar a libertação dos homens acusados. A próxima sessão está marcada para14 de junho, dia em que irá trasitar em julgado a decisão da Relação.

Essa também deve ser a data em que os arguidos deverão ser libertados por excesso de prisão preventiva, incluindo os alegados mentores do crime, adianta o mesmo jornal: o advogado Pedro Bourbon e Emanuel Paulino, conhecido como o “Bruxo da Areosa”, e apontados como os principais responsáveis pelo rapto e homicídio do empresário João Paulo Fernandes