A Aliança Renault-Nissan, que desde 2016 passou igualmente a controlar a Mitsubishi e que foi o segundo grupo que mais automóveis vendeu nos primeiros meses deste ano, continua a sua frutuosa parceria com a Mercedes-Benz, o actual líder de vendas no segmento de luxo. Depois de produzir para os alemães comerciais ligeiros como o Citan e pequenos citadinos como o Smart, além de partilhar a plataforma do Classe A com o Infinity Q30, franceses (são estes que controlam a Aliança) e germânicos partem agora para a concepção conjunta de motores.

As novas unidades de quatro cilindros a gasolina vão possuir capacidades de 1,2 e 1,4 litros, o que vai ao encontro daquilo que o líder da Aliança e do Grupo Renault, Carlos Ghosn, afirmou recentemente, indicando que, com as novas regras antipoluição, a miniaturização das unidades motrizes vai terminar nos 1,2 litros.

Os dois novos motores vão pertencer à mesma família, denominada internamente M282, que usufruirá de injecção directa de combustível, entre as mais recentes tecnologias disponíveis, visando todas elas retirar mais potência por um lado, e reduzir consumos e emissões por outro.

O primeiro veículo a ter honras de estrear as novas motorizações será o futuro Classe A, a que se seguirá o Classe B, GLA e CLA, além de um novo modelo que, ao que tudo indica, ostentará a sigla GLB e que se destina a competir directamente com o Audi Q3 e BMW X1. Como não podia deixar de ser, a Renault, Nissan, Mitsubishi e Dacia vão igualmente recorrer às novas mecânicas para locomover os seus modelos, tanto mais que deverá ser uma fábrica da Aliança a ser responsável pela sua produção, necessariamente em grande quantidade.

Os novos motores da família M282 vão assumir-se como uma solução com menor capacidade e potência das actuais unidades 1.6 e 2.0, que vão ser de tal forma revistas e melhoradas – poluição oblige – que vão inclusivamente mudar de nome, passando a ser conhecidas como M260, em vez de M274 como até aqui. A unidade 2.0, aquela que serve de base para o motor que hoje fornece ao Classe A AMG uns impressionantes 381 cv, deverá superar os 400 cv na nova versão, graças às melhorias introduzidas.