A Polícia Judiciária terá apreendido toda a documentação das viagens que António Mexia realizou a Nova Iorque, bem como todos os pagamentos que a EDP efetuou à Universidade de Columbia, segundo noticia o Correio da Manhã na sua edição de papel. Em causa está o apoio que a elétrica nacional deu aquela prestigiada universidade norte-americana, localizada no Estado de Nova Iorque, e que terá permitido, entre outras atividades académicas, a realização de um seminário sobre energias renováveis onde Manuel Pinho, ex-ministro da Economia do Governo de José Sócrates, lecionou.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates terá igualmente discursado na mesma Universidade no âmbito das actividades académicas apoiadas pela EDP.

PJ investiga curso de Manuel Pinho nos Estados Unidos apoiado pela EDP

Manuel Pinho, contudo, ainda não foi constituído arguido nem é oficialmente considerado suspeito de qualquer crime. Os únicos arguidos do caso são, para já, António Mexia (presidente da EDP), Manso Neto (administrador da EDP e presidente da EDP Renováveis), João Conceição (ex-assessor de Manuel Pinho no Ministério da Economia e administrador da REN) e Pedro Furtado (atual diretor da REN).

Tal como o Observador já noticiou, a Judiciária está a analisar a relação entre esse apoio à Universidade de Columbia e os chamados contratos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC). Apesar da legislação ter começado a ser preparada pelo Governo de Durão Barroso (o Correio de Manhã refere que terá sido o Governo de Santana Lopes, através do ministro Álvaro Barreto, a aprovar a mesma), foi o Governo de José Sócrates, através do ministro Manuel Pinho, que fez a negociação e criou os CMEC. O Departamento Central de Investigação e Ação Penal, que lidera a investigação coadjuvado pela PJ, suspeita que terão sido praticados alegados crimes de corrupção activa e passiva e de participação económica em negócio na execução de tais contratos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Correio da Manhã refere ainda, citando um estudo da Universidade de Cambridge, que os CMEC garantem à EDP uma rentabilidade de 14,2% e uma receita anual de cerca de 900 milhões de euros. Estes estudos foram encomendados por Henrique Gomes, ex-secretário de Estado do Governo de Passos Coelho. Gomes quis apresentar estes dados publicamente, já que seria uma base importante da sua decisão de cortar as rendas que a EDP tinha com os CMEC, mas foi impedido de o fazer. O que acabou por estar na origem da sua saída do Executivo.

Contratos de venda de energia. O que querem dizer os “palavrões” CAE e CMEC?