Desperdício Alimentar

Cinco milhões de refeições por ano salvas do desperdício em Lisboa

O plano contra o desperdício alimentar na cidade de Lisboa evitou que cinco milhões de refeições por ano fossem parar ao lixo, alimentando, em contrapartida, cerca de 6.500 famílias.

Os resultados foram apresentados em conferência de imprensa pelo vereador da Câmara Municipal de Lisboa e Comissário Municipal de Combate ao Desperdício Alimentar, João Gonçalves Pereira (CDS-PP), que no final do mês termina a sua missão de juntar em rede as entidades que combatem o desperdício alimentar em Lisboa

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O plano contra o desperdício alimentar na cidade de Lisboa evitou que cinco milhões de refeições por ano fossem parar ao lixo, alimentando, em contrapartida, cerca de 6.500 famílias, anunciou esta segunda-feira o Comissário Municipal de Combate ao Desperdício Alimentar.

Os resultados foram apresentados em conferência de imprensa pelo vereador da Câmara Municipal de Lisboa e Comissário Municipal de Combate ao Desperdício Alimentar, João Gonçalves Pereira (CDS-PP), que no final do mês termina a sua missão de juntar em rede as entidades que combatem o desperdício alimentar em Lisboa.

“Terminámos aqui um trabalho que iniciamos em maio de 2014 e um trabalho esse que permite, com as nossas instituições na cidade de Lisboa, resgatar qualquer coisa como cinco milhões de refeições que, se não tivessem sido recuperadas, tinham como destino o lixo“, afirmou o comissário, realçando que o combate ao desperdício alimentar não começou com o comissariado, mas este permitiu que as instituições que trabalhavam na área começassem a trabalhar em rede.

Este foi o último relatório de atividades do Comissariado, que será extinto, mas que ainda organizará a 26 de junho, em Lisboa, a conferência internacional “Local Food Security and Nutrition Strategies” sobre o combate ao desperdício, coorganizada em parceria com a FAO/Nações Unidas.

Aliás, de acordo com João Gonçalves Pereira, este plano de Lisboa “é reconhecido pelas próprias Nações Unidas, através da FAO, como um excelente exemplo a nível mundial, porque é a primeira cidade do mundo que tem uma rede social solidária que cobre toda uma cidade”.

“Temos cerca de 114 entidades que estão neste comissariado [nas 24 freguesias], o que permite uma malha por toda a cidade que funciona de forma organizada, coisa que não acontecia em 2014. Isso movimenta cerca de 7 mil voluntários na cidade de Lisboa”, especificou, salientando que são apoiadas 6.500 famílias.

O objetivo aqui é tentar reduzir este número, porque a rede alimentar também tem de ser vista como uma forma de atingir outros objetivos, designadamente em matéria de respostas sociais. Através da refeição e através desta rede alimentar é possível sinalizar junto de um determinado indivíduo ou junto de determinada família qual é o problema que esta família ou esta pessoa tem (…) e, portanto, sinalizando o problema nós podemos encontrar a resposta”, acrescentou.

João Afonso, o vereador dos direitos sociais, salientou que o plano continua a fazer sentido “porque, apesar da melhoria económica, da melhoria da situação de emprego, da recuperação de um conjunto de programas de apoio social que se tem vido a verificar (…) isto não significa que a situação na cidade de Lisboa e a nível também do país estejam resolvidas“.

O combate ao desperdício alimentar faz parte da agenda do Governo e Nuno Manana, da Comissão Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar (CNCDA), realçou que esta comissão tem feito um diagnóstico da situação de desperdício alimentar a nível nacional e deverá apresentar até ao verão um plano nacional de combate ao desperdício alimentar.

Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome (BA), destacou que “só no concelho de Lisboa são distribuídas através da rede refeições a 11.384 pessoas e cabazes a 14.481 pessoas“.

Aqui em Lisboa distribuímos [o Banco Alimentar] 40 toneladas de alimentos todos os dias”, salientou.

Além das freguesias e do BA, a rede contra o desperdício reúne instituições como a Refood, a Comunidade Vida e Paz e a CASA — Centro de Apoio aos Sem-Abrigo, a igreja católica e outras confissões religiosas, a ASAE, associações de restauração e de distribuição alimentar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)