A abertura do Espaço Empresa em Leiria e Ansião, no distrito de Leiria, e em Abrantes, no distrito de Santarém, vai poupar recursos e custos à administração pública, afirmou esta segunda-feira o ministro da Economia.

À margem da inauguração do Espaço Empresa, em Leiria, uma das três lojas piloto que irão permitir às empresas tratar de burocracia e obter informações, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou que o investimento que está a ser feito neste projeto é “principalmente um investimento de coordenação entre as diferentes instituições públicas”.

Em alguns casos, este processo de juntar no mesmo espaço diferentes instituições públicas”, “vai gerar poupanças e não acréscimos de custos”, reforçou o ministro.

O governante salientou que “há um investimento muito grande no empenho dos funcionários públicos das diferentes instituições” e na “articulação entre diferentes ministérios“.

É um investimento de trabalho, de tempo, de dedicação e de motivação. Em muitos casos, isto até vai gerar uma poupança de recursos ao Estado, porque em vez de termos uma multiplicação de pontos de atendimento vamos ter menos pontos a que um empresário tem de ir”, acrescentou.

Por isso, disse Caldeira Cabral, o Espaço Empresa será “mais conveniente para os empresários e, a prazo, vai até gerar maior eficiência ao nível dos serviços públicos e uma poupança de recursos e de custos para a administração pública”.

Segundo o ministro, “este projeto-piloto pretende que estes serviços que estão agora a chegar às empresas nestes três espaços possam ser melhorados” no futuro, uma vez que será feito um balanço dentro de seis meses.

O Governo vai perceber depois o que procuram mais as empresas e se o modelo de atendimento num ponto único está a funcionar. Desta forma, será possível “dimensionar os novos espaços à luz dos resultados obtidos”.

“O que queremos com este projeto é dar um ponto único de acesso aos empresários a tudo o que são serviços públicos. Hoje, para o licenciamento industrial ou ambiental, para informação tributária e outras questões, os empresários têm de se dirigir a múltiplos locais”, o que é “uma perda de tempo”.

Caldeira Cabral sublinhou que se pretende que “os empresários cumpram as regras”, mas que o Estado também perceba que regras estão a ser exigidas por parte das instituições públicas.

Estão aqui cerca de 20 serviços públicos. Vários destes serviços pela primeira vez têm atendimento em Leiria. Nos próximos seis meses vamos perceber quem aparece, para adaptarmos os serviços e para que possamos ter no nosso portfólio de serviços o que eles [empresários] pretendem”, afirmou o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.

Durante a inauguração, a secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, destacou a qualidade de atendimento que o Governo pretende dotar os serviços públicos, acrescentando que no dia 20 será apresentado o Simplex+ 2017 e o balanço do projeto de 2016.

Um dos pontos essenciais do novo Simplex é precisamente a qualidade no atendimento. Temos de conseguir dar passos significativos e diferentes. Temos de pensar fora da caixa como é que podemos prestar um serviço de maior qualidade às pessoas e às empresas. Esse vai ser um dos eixos principais do Simplex+ 2017. Vamos ter um conjunto de medidas única e exclusivamente direcionadas para aquilo que é o atendimento público”, acrescentou Graça Fonseca.