Rádio Observador

Mediterrâneo

“As kwassa kwassa servem para trazer comorianos”: a piada falhada de Macron

"As kwasa kwasa pescam pouco, servem para trazer comorianos". A piada falhada do presidente francês está a levantar uma onda de críticas por ter brincado com a situação dos migrantes no Mediterrâneo.

No vídeo que registou esse momento, é visível um ambiente tenso e estranho, depois da piada de Macron

PHILIPPE WOJAZER/ POOL/EPA

Emmanuel Macron falava de embarcações com alguns oficiais do Centro Regional de Vigilância e Salvamento da Bretanha. A dado momento, o presidente francês interrompeu um dos oficiais que falava de tapouilles e de kwassa-kwassa quando afirmou que estas “servem para trazer comorianos”. Só que a piada sobre o assunto sério da migração no Mediterrâneo não caiu bem e está a gerar uma onda de críticas ao Presidente recentemente eleito.

Macron ouvia um dos oficiais a falar de tapouilles – umas embarcações de pesca típicas da Guiana – e de kwassa kwassa. O presidente francês tem um momento caricato quando afirma “As kwassa kwassa estão em Maiote. Mas as kwassa kwassa pescam pouco, servem para trazer comorianos [naturais das ilhas Comores], que é diferente“, disse entre sorrisos. A crítica resulta do facto de a piada estar diretamente ligada aos vários migrantes que diariamente tentam percorrer o Mediterrâneo naquelas embarcações, vitimando muitos destes no mar.

No vídeo que registou esse momento, é visível um ambiente tenso e estranho, depois da piada de Macron. O presidente, em jeito de aliviar o ambiente, completa com um comentário mais inofensivo: “os tapouiles são barcos camaroeiros”.

Os kwassa kwassa são pequenas embarcações precárias da zona de Comores (costa oriental africana). Vários migrantes africanos usam-nas, por via de imigração ilegal pelo mar, para chegar a Maiote, um território francês, separados por 70 quilómetros.

As críticas ao Presidente francês não demoraram a surgir. O líder esquerdista, Jean-Luc Mélenchon, considerou o comentário “uma forma de desrespeito pela classe”. Já Pierre Laurent, secretário nacional do partido comunista de França, achou “indigno” a afirmação do presidente. Também François Baroin, líder republicano para as legislativas, considerou a piada “preocupante” e “chocante, sobretudo quando se é presidente”.

Já um Twitter ligado à ilha de Maiote também recupera a situação infeliz de Macron e comenta que Maiote e Comores “querem soluções neste assunto tão sério”, mas pedem a Macron para que “não brinque”.

Fontes do governo francês já reconheceram a infelicidade da piada “sobre um tema sério” como este. O Eliseu assegura também que o presidente francês está “consciente” do comentário que fez e reconhece que foi “inaceitável e inapropriado”.

As explicações não impediram, no entanto, que as autoridades comorianos entrassem em contacto com Macron. A agência France-Presse (AFP) cita que ambos os países concordaram em “reforçar a cooperação bilateral” para “impedir novos dramas humanos”. Brevemente será celebrada uma reunião para abordar “os desafios de segurança e de desenvolvimento” partilhados entre ambos.

Segundo dados do senado francês de julho de 2012, entre 7000 e 10 mil migrantes morreram desde 1995 no mar quando tentavam atravessar o Mediterrâneo até Maiote. Desde então o número não tem parado de aumentar e o Mediterrâneo é hoje o cemitério que se conhece.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)