O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) vai ter a sua frota de viaturas médicas de emergência e reanimação (VMER) totalmente renovada até final deste ano, o que representou um investimento superior a um milhão de euros.

As VMER são veículos de intervenção pré-hospitalar, sedeados nos hospitais e destinados ao transporte rápido de uma equipa médica ao local onde se encontra o doente, que recebe acompanhamento médico durante o transporte.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, estima que, até ao final do ano, todas as 44 VMER do país estejam renovadas e recordou que, desde 2008, não ocorria uma renovação das viaturas.

“Atingimos o objetivo extraordinário que é o de ter as 44 novas VMER do país totalmente renovadas“, disse o ministro no final da cerimónia de assinatura dos protocolos entre o INEM e as unidades de saúde para gestão e operação conjunta de 24 viaturas.

No final do ano passado, o INEM substituiu as primeiras 20 viaturas e as restantes 24 renovadas devem estar operacionais até final do ano.

Um novo modelo de aquisição das VMER, aprovado em abril deste ano, determina que passam a ser as unidades de saúde a realizar diretamente a aquisição das viaturas, cabendo depois ao INEM subsidiar a compra e coordenar toda a atividade de gestão e operação conjunta da VMER.

Assim, a propriedade das VMER passa a ser dos hospitais, que devem assegurar a sua manutenção, incluindo a contratação de seguros e estado de operacionalidade permanente.

O presidente do INEM, Luís Meira, destacou esta terça-feira o esforço do instituto para manter elevados índices de operacionalidade das viaturas. No primeiro trimestre deste ano, o nível de inoperacionalidade por falta de tripulação foi inferior a 1%.

O ministro da Saúde tinha prometido já uma reestruturação da lei orgânica do INEM, tendo afirmado hoje que dentro de um ou dois meses estará pronto o trabalho para “melhorar e agilizar o funcionamento do instituto”.

Quanto à delegação do Algarve do INEM, entretanto reaberta, Campos Fernandes reconheceu que falta apenas encontrar um delegado regional, processo que espera estar concluído ainda no verão.