Sendo o automóvel um meio de transporte para todas as idades, a verdade é que, especialmente à medida que a idade dos seus utilizadores avança, situações tão simples como entrar ou sair do carro tornam-se muitas vezes um obstáculo difícil de ultrapassar. Razão pela qual os engenheiros da Ford Motor Company, depois de muito pensar, poderão ter encontrado uma solução capaz de facilitar a vida aos condutores – chamemos-lhes assim – “mais experientes”: um banco robotizado de pernas articuladas que, uma vez estacionada a viatura, transporta o condutor para fora da mesma, sem que este tenha sequer de mexer uma perna.

Para já apenas na fase de desenho (ou, pelo menos, foi isso que a marca da oval acedeu a mostrar), esta nova solução para condutores de mobilidade mais reduzida, a que a Ford deu o nome de “Ford’s Mobile Transport Device” (em português, dispositivo de transporte móvel da Ford) e que inclusivamente já patenteou junto do devido departamento federal norte-americano (United States Patent And Trademark Office – USPTO), começa por funcionar como um vulgar banco do condutor, com pernas solidamente “agarradas” à plataforma do veículo, como forma de manter o ocupante permanentemente seguro, defronte do volante.

Uma vez terminada a condução, e desligada a ignição, este banco muito especial tanto pode esticar as pernas para fora do carro e retirar assim o ocupante do habitáculo, sem que este tenha sequer de levantar-se do banco, como funcionar como uma espécie de alavanca, inclinando o banco lateralmente, para que apenas este escorregue, com o ocupante, para fora do veículo.

Relativamente ao desenho adoptado para as pernas do dispositivo e que permitem esta flexibilidade, a Ford afirma que inspiram-se na natureza. Com a estrutura a exibir rótulas que funcionam como se de um joelho, ou de um tornozelo, se tratassem. Sendo que, na base e embora os desenhos não o esclareçam, deverá estar algo como um pé, capaz de garantir a estabilidade e tracção necessárias para actuação “em todo o tipo de terrenos”, acrescenta a marca da oval.

Embora a Ford não desvende muito sobre a forma como o ocupante será capaz de controlar o banco, o projecto faz crer que existam no dispositivo uma série de sensores, ou até mesmo uma espécie de giroscópio, capazes de garantir a estabilidade da cadeira. Com o fabricante a acrescentar ainda que a melhor solução energética para fazer funcionar o dispositivo seria a energia eléctrica.

A terminar, o construtor automóvel norte-americano salienta ainda que o conceito e tecnologia desenvolvidos com este projecto não têm, necessariamente, de ser aplicados ao banco de um automóvel. Podendo igualmente funcionar, conforme os próprios desenhos agora divulgados também revelam, para transportar objectos. Por exemplo, na forma de um estrado com pernas, o qual, inicialmente funcionando como piso da bagageira de um automóvel, poderia depois transformar-se numa espécie de carregador das bagagens e sacos até casa, sem qualquer esforço para os proprietários.