Tech Auto

E se o banco do seu carro pudesse andar?

Estranha a pergunta? Pois é, parece incrível, mas até pode vir a acontecer! Di-lo a Ford, que já imaginou uma solução assim.

Autor
  • Francisco António

Sendo o automóvel um meio de transporte para todas as idades, a verdade é que, especialmente à medida que a idade dos seus utilizadores avança, situações tão simples como entrar ou sair do carro tornam-se muitas vezes um obstáculo difícil de ultrapassar. Razão pela qual os engenheiros da Ford Motor Company, depois de muito pensar, poderão ter encontrado uma solução capaz de facilitar a vida aos condutores – chamemos-lhes assim – “mais experientes”: um banco robotizado de pernas articuladas que, uma vez estacionada a viatura, transporta o condutor para fora da mesma, sem que este tenha sequer de mexer uma perna.

Para já apenas na fase de desenho (ou, pelo menos, foi isso que a marca da oval acedeu a mostrar), esta nova solução para condutores de mobilidade mais reduzida, a que a Ford deu o nome de “Ford’s Mobile Transport Device” (em português, dispositivo de transporte móvel da Ford) e que inclusivamente já patenteou junto do devido departamento federal norte-americano (United States Patent And Trademark Office – USPTO), começa por funcionar como um vulgar banco do condutor, com pernas solidamente “agarradas” à plataforma do veículo, como forma de manter o ocupante permanentemente seguro, defronte do volante.

Uma vez terminada a condução, e desligada a ignição, este banco muito especial tanto pode esticar as pernas para fora do carro e retirar assim o ocupante do habitáculo, sem que este tenha sequer de levantar-se do banco, como funcionar como uma espécie de alavanca, inclinando o banco lateralmente, para que apenas este escorregue, com o ocupante, para fora do veículo.

Relativamente ao desenho adoptado para as pernas do dispositivo e que permitem esta flexibilidade, a Ford afirma que inspiram-se na natureza. Com a estrutura a exibir rótulas que funcionam como se de um joelho, ou de um tornozelo, se tratassem. Sendo que, na base e embora os desenhos não o esclareçam, deverá estar algo como um pé, capaz de garantir a estabilidade e tracção necessárias para actuação “em todo o tipo de terrenos”, acrescenta a marca da oval.

Embora a Ford não desvende muito sobre a forma como o ocupante será capaz de controlar o banco, o projecto faz crer que existam no dispositivo uma série de sensores, ou até mesmo uma espécie de giroscópio, capazes de garantir a estabilidade da cadeira. Com o fabricante a acrescentar ainda que a melhor solução energética para fazer funcionar o dispositivo seria a energia eléctrica.

A terminar, o construtor automóvel norte-americano salienta ainda que o conceito e tecnologia desenvolvidos com este projecto não têm, necessariamente, de ser aplicados ao banco de um automóvel. Podendo igualmente funcionar, conforme os próprios desenhos agora divulgados também revelam, para transportar objectos. Por exemplo, na forma de um estrado com pernas, o qual, inicialmente funcionando como piso da bagageira de um automóvel, poderia depois transformar-se numa espécie de carregador das bagagens e sacos até casa, sem qualquer esforço para os proprietários.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)