Rádio Observador

Forças Armadas

Forças Armadas mostram capacidades e meios no centro do Porto nas comemorações do 10 de junho

A Avenida dos Aliados é um dos palcos do Porto a acolher comemorações oficiais do 10 de Junho, transformando-se num quartel-general onde as Forças Armadas mostram o que têm, o que fazem e onde estão.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Avenida dos Aliados é a partir desta quarta-feira um dos palcos do Porto a acolher comemorações oficiais do 10 de Junho, transformando-se num quartel-general onde as Forças Armadas mostram o que têm, o que fazem e onde estão.

Os três ramos das Forças Armadas (FA) — Exército, Marinha e Força Aérea — estão presentes até domingo na Avenida dos Aliados, no Porto, com “uma exposição de capacidades e meios”, “aberta essencialmente para o público em geral”, explicou esta manhã o porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), Hélder Perdigão, no âmbito da cerimónia de abertura das Atividades Militares Complementares, inseridas nas comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.

Estamos muito satisfeitos de estar na parte central do Porto, que é um cartão-de-visita da cidade e é um sítio de passagem que tem muito visitantes, o que é para nós muito apelativo, porque queremos demonstrar exatamente o que fazemos, onde estamos e os meios que temos, de forma desinibida”, frisou o responsável.

Desde um F-16 a uma lancha anfíbia, passando por uma escalada ‘rappel’, as FA deslocaram para a placa central dos Aliados um conjunto de meios que não passam desapercebidos e cuja “logística não foi fácil”.

O transporte foi feito durante a noite, sendo que “grande parte dos meios” foram transportados no fim de semana passado, de modo a “causar o menor impacto possível”.

“O mesmo vai acontecer nas cerimónias do dia 10”, na Avenida Brasil, frente marítima da cidade, “em que os meios principais, nomeadamente 75 viaturas, vão ser transportados durante a noite”, disse Hélder Perdigão, acrescentando que “a logística dá muito trabalho”, mas acaba por ser “um desafio” para as FA, permitindo-lhes treinar “a projeção de forças”.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que presidiu à cerimónia de abertura destas Atividades Militares Complementares, congratulou-se com a apresentação das valências das FA nos Aliados, considerando ser “muito importante” que as pessoas compreendam “a importância das FA, aquilo que representam para a soberania e para a segurança” nacional.

“O facto das FA fazerem aqui uma apresentação das suas valências permite também este aproveitamento do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades para se perceber onde estamos, para onde vamos o que somos”, sublinhou Moreira.

A cerimónia desta manhã arrancou às 10h30, sob o olhar atento de muitos turistas e curiosos, com o hastear de cinco bandeiras em simultâneo: a da cidade, a do EMGFA e as três dos diferentes ramos das FA.

As comemorações oficiais do 10 de Junho são este ano no Porto, onze anos depois de o ex-presidente da República, Cavaco Silva, ter escolhido a cidade para o evento.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fará uma visita a estas Atividades Militares Complementares na sexta-feira de manhã.

A juntar a estas atividades, que decorrem a partir das 10:00, haverá ainda nos Aliados das bandas das FA.

As Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas decorrem entre sexta-feira e domingo, nas cidades do Porto e de São Paulo e Rio de Janeiro, no Brasil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)