O Supremo Tribunal de Justiça indeferiu esta quarta-feira os pedidos de ‘habeas corpus’ (libertação imediata) de cinco dos sete arguidos acusados de raptar e matar um empresário de Braga e de dissolver o corpo em ácido sulfúrico, em 2016.

Acusados de homicídio podem ser libertados devido a erro judicial

Os arguidos Adolfo Bourbon, Emanuel Paulino, Luís Filipe Monteiro, Francisco Bourbon e Rafael Silva, todos em prisão preventiva, pediram ao juízes do supremo a sua libertação imediata e vão conhecer a decisão esta quarta-feira.