Presidente Trump

Trump já escolheu novo diretor do FBI: Christopher A. Wray sucede a James Comey

Donald Trump anunciou esta quarta-feira a sua escolha para suceder a James Comey na liderança do FBI. No seu Twitter, escreveu que irá nomear Christopher A. Wray, "um homem de credenciais impecáveis".

Donald Trump anunciou esta quarta-feira a sua escolha para suceder a James Comey na liderança do FBI. No Twitter, escreveu que irá nomear Christopher A. Wray, “um homem de credenciais impecáveis”, para liderar a instituição. Christopher A. Wray foi procurador-geral dos EUA entre 2003 e 2005, sob a presidência de George W. Bush. Atualmente, é advogado na King & Spalding.

Donald Trump despediu James Comey no início de maio, altura em que o FBI admitia publicamente que estava a investigar os contactos entre a campanha de Donald Trump e o Kremlin. Comey tinha afirmado, em declarações no Senado dos EUA, que iria seguir as provas “onde quer que elas nos levem”.

Na altura, Comey recebeu uma carta, que terá sido entregue por um guarda-costas de Trump no gabinete do diretor do FBI, em que o presidente norte-americano dizia que “embora aprecie o facto de me terem [FBI] informado que não estou a ser investigado, concordo com o acórdão do departamento de Justiça”, um acórdão segundo o qual James Comey “não pode liderar o FBI”.

Mais tarde, veio a descobrir-se que antes de despedir Comey, Trump já lhe tinha pedido para encerrar a investigação aos contactos entre Michael Flynn, o antigo chefe do Conselho de Segurança do presidente, e a diplomacia russa. Numa conversa com Comey, Trump terá dito algo como: “Espero que consigas encontrar uma maneira de deixar passar isto, de deixar passar o Flynn…Ele é um tipo porreiro. Deixa andar”.

Quem é Christopher A. Wray?

O New York Times chama-lhe uma “escolha segura, mainstream, para um presidente que a dada altura começou a equacionar escolher políticos para um cargo que historicamente foi mantido fora da esfera política”. Antigo procurador federal, Wray é mais do que conhecedor do sistema judicial norte-americano e foi o responsável pela supervisão do sistema criminal durante a presidência de George W. Bush.

Wray ficou também conhecido por representar o governador de New Jersey, Chris Christie, no escândalo Bridgegate — membros do gabinete de Christie terão planeado fechar algumas portagens na ponte George Washington com o objetivo de causar um engarrafamento e responsabilizar o mayor de Fort Lee, que não tinha apoiado Christie quando este se recandidatou a governador.

O anúncio da nomeação surge um dia antes de o ex-diretor do FBI, James Comey testemunhar no Senado sobre a investigação à interferência russa nas eleições norte-americanas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)