Rádio Observador

Debate Quinzenal

Crónica. A ameaça dialética do PCP à “geringonça”

Jerónimo avisou que a "dialética" pode transformar-se. A "geringonça" encerra uma unidade de contrários, mas o PCP fez uma ligeira ameaça. Se isto não muda, olhe que isto pode mudar. Será só bluff?

Tiago Petinga/LUSA

Este Governo comporta em si mesmo o seu oposto nos partidos de esquerda que o apoiam. Seria assim uma espécie de unidade de contrários, na teoria marxista. O PCP e o Bloco de Esquerda são contra todos os pressupostos da governação — critérios europeus, défice, dívida e moeda única — mas depois apoiam o PS com um pragmatismo notável e nunca visto. Viabilizam o Governo enquanto continuam a ser oposição ao Governo… viabilizando-o. Todos sabemos que é assim. Mas, e quando são os próprios a chamar a atenção para essa “dialética”? Neste debate quinzenal, Jerónimo de Sousa articulou uma daquelas frases que podiam passar despercebidas, mas que ditas daquela bancada têm um significado qualquer: uma pressão, uma ameaça? Uma constatação? Uma análise da “geringonça” à luz do materialismo dialético?

Jerónimo de Sousa não citou mais um provérbio popular para ser engraçado. Estava a falar dos transportes públicos, de uma matéria que afeta a vida de milhares de pessoas, quando tirou os olhos do papel (o resto da declaração tinha sido lida) para dizer assim:

A dialética tem este sentido. O que era verdade anteontem pode não ser verdade amanhã. E esse ambiente de esperança que se abriu o quadro da nova solução política, da nova fase da vida nacional, precisa de ser mantido para a que a dialética não se transforme num outro sentimento”.

Ora quer isto dizer que anteontem António Costa chegou a primeiro-ministro e está ali a falar na bancada do Governo porque o PCP o apoia, embora o próprio PCP se farte de dizer que não apoia, mas essa é outra questão (da dialética do discurso). A propósito de transportes, metro, barcos e afins, Jerónimo avisou Costa que isto pode não durar para sempre. Se o “ambiente de esperança” não for mantido, isto pode transformar-se “noutro sentimento”. Ou seja, podemos traduzir as palavras de Jerónimo assim: se isto não muda, senhor primeiro-ministro, olhe que isto pode mudar…

Em vésperas de negociações para o Orçamento do Estado e de eleições autárquicas, significa que os comunistas estão a dizer que a base material e económica da sociedade, a “infra-estrutura” — neste caso representada pelo PCP —, à força de não conseguir mudar a “superestrutura” pode criar aqui uma nova dialéctica? O fim deste Governo? Não sabemos bem o que Jerónimo quis dizer, mas o aviso ficou gravado nos diários da Assembleia da República para mais tarde recordarmos.

É bonito ver a “geringonça” com esta conversa cifrada para iniciados na teoria marxista. Mas António Costa respondeu com dados concretos sobre o metro de Lisboa, prometeu o início de obras, não falou nas contratações para as empresas reclamadas pelo PCP, e deixou uma mão cheia de perguntas por responder.

Dito assim, como a dialéctica pressupõe uma sucessão de contradições, o PCP sinaliza que começa a estar pressionado pela realidade para alterar a sua posição. Tudo bluff? Tudo encenação parlamentar? Tudo “verbo de encher”? Veremos, uma vez que, com um debate dominado pela questão das rendas excessivas da EDP e pela Educação, o Bloco e o PCP não carregaram nas reivindicações para o orçamento do Estado, como a alteração dos escalões do IRS ou as reformas antecipadas para os trabalhadores com muitos anos de descontos (apesar de o Bloco ter mencionado trabalhadores de pedreiras nessas condições que estavam nas galerias).

“Verbo de encher” foi a expressão de Catarina Martins para expressar a sua insatisfação com a precariedade dos professores e a dimensão das turmas nas escolas. E foi dura na questão das rendas excessivas, que classificou como uma pilhagem. Costa nunca disse que tinha margem para acabar com as rendas excessivas. E Catarina, apesar da violência da sua linguagem parecer mais radical do que o Partido Comunista, nunca ameaçou com a dialéctica marxista para sinalizar uma possível dissidência no apoio ao Governo. Temos aqui a outra velha dialética entre os comunistas e as extremas-esquerdas. Mas essa é uma história aqui secundária.

Se a “geringonça” é uma unidade de contrários, a relação do Governo com a direita voltou no debate a manifestar-se como uma espécie de desunião de semelhantes no desatualizado “arco da governação” (que por mais que se combatam continuam a ter mais em comum do que PS+PCP/BE). Por alguma razão a direita não fez qualquer pergunta sobre a rendas excessivas. Todos comprometidos?

O PSD foi consequente com o que anunciou nas jornadas parlamentares há uma semana. Ia falar menos de números e de economia, para dar mais atenção ao país real. Com Passos Coelho calado (mais uma vez), Luís Montenegro falou de Educação e de Saúde, e tentou encurralar António Costa em matéria de offshores e na contratação de médicos.

Mas os sociais-democratas estão naquela péssima posição de preso-por-ter-cão-preso-por-não-ter. É uma dialética que se mantém, mesmo quando mudam os pressupostos. Se o PSD só fala de números e economia já não há pachorra e é porque Passos não muda nem adapta o discurso. Se não fala, lá vem Carlos César, líder parlamentar do PS, dizer que, como os resultados do Governo são tão bons em matéria económica, o PSD perdeu o discurso e nada mais tem a dizer sobre a economia. António Costa até disse que era capaz de arranjar perguntas mais difíceis para se entalar a si próprio. Não é fácil falar a partir daquela bancada.

Do lado do do CDS, Assunção Cristas manteve o registo e o estilo das perguntas de rajada que mal davam tempo a António Costa para responder. Por vezes tinha de empatar até lhe aparecer um papelinho com uma resposta nas mãos. A graça dialéctica do CDS é que não foi o PCP a falar da greve dos professores, mas sim Cristas. Que do ponto de vista do materialismo foi a única líder a fazer uma das perguntas que se impunha esta semana: a Santa Casa vai entrar no Montepio porque é um bom negócio ou porque o banco precisa de ajuda? António Costa não foi mais do que evasivo.

Passou mais ou menos despercebido, mas a líder do CDS marcou pontos quando perguntou a António Costa, a propósito da redução na contratação de médicos tarefeiros, se o primeiro-ministro sabia se ia haver demissões nos hospitais. Costa não respondeu. Ainda o debate não tinha acabado e já a Lusa noticiava demissões no Amadora-Sintra. A dialética é assim circular. O que era anteontem não será forçosamente igual amanhã. Sabemos que a vida é assim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)