Greg Gianforte, o político republicano norte-americano que agrediu o jornalista do The Guardian Ben Jacobs na véspera da sua eleição para o Congresso, emitiu um pedido de desculpas formais e doou 50 mil dólares (cerca de 45 mil euros) ao Comité de Proteção de Jornalistas (CPJ).

“Saia já daqui”: o momento em que um jornalista é agredido por um candidato republicano

O congressista pediu desculpas ao repórter numa carta divulgada esta quarta-feira.

A minha resposta física à sua pergunta legítima foi pouco profissional, inaceitável e ilegítima. Enquanto candidato a um cargo público, tenho que manter e respeitar uma certa postura nas minhas interações com a imprensa e com o público. O meu comportamento para consigo não atingiu a postura que se espera de mim.”

Gianforte acrescentou que a doação de 50 mil dólares ao CPJ foi feita “com a esperança de que algo de bom possa resultar destes acontecimentos. Errei e peço humildemente o seu perdão”. O CPJ é uma organização independente sem fins lucrativos que promove o jornalismo livre e protege os direitos dos jornalistas em todo o mundo.

O político representante do estado de Montana ainda enfrenta acusações criminais pelo sucedido. Se for condenado, poderá ter de pagar uma multa de 500 dólares (440 euros) ou enfrentar uma pena de prisão até seis meses. Gianforte era para ser ouvido no tribunal de justiça de Gallatin esta semana mas foi-lhe concedida uma extensão para a audiência até dia 20 deste mês.

O incidente deu-se a 24 de maio, na véspera da eleição especial para o assento do congresso norte-americano reservado ao estado de Montana. O então candidato reagiu com alguma violência à questão colocada por Ben Jacobs. O jornalista de política terá questionado Gianforte sobre a proposta orçamental dos republicanos para a alternativa ao Obamacare. O republicano não quis responder e após várias insistências do jornalista “esmurrou-o”, de acordo com outros membros da imprensa presentes no local.