Santos Populares

Bancas do arraial de Alfama, em Lisboa, criticam Junta por falta de música

Os vendedores das bancas do arraial de Alfama, em Lisboa, concordam com a medida da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior de implementar um sistema comum de som, mas sentem-se prejudicados.

O sistema comum de som no arraial de Alfama vai funcionar nos dias 9, 10, 14, 17 e 24 de junho, das 20h00 às 02h00, nos dias 13 e 15 de junho, das 20h00 às 24h00, e apenas na noite de Santo António, dia 12 de junho, é que o arraial se prolonga até às 04h00

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Os vendedores das bancas do arraial de Alfama, em Lisboa, concordam com a medida da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior de implementar um sistema comum de som, mas sentem-se prejudicados pela falta de música todos os dias.

“O sentido da Junta está correto – pôr a música para todos e ouvir a música que é dos Santos Populares – só que tem mais sentido pôr o mês inteiro porque estamos o mês inteiro abertos, menos à segunda-feira. Deviam pôr e não o estão a fazer”, afirmou à Lusa Marina Costa, responsável pela banca do “Retiro Mãe e Filhos”.

De acordo com informação da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, o sistema comum de som no arraial de Alfama vai funcionar nos dias 9, 10, 14, 17 e 24 de junho, das 20h00 às 02h00, nos dias 13 e 15 de junho, das 20h00 às 24h00, e apenas na noite de Santo António, dia 12 de junho, é que o arraial se prolonga até às 04h00.

Se a gente ontem não metesse música, às oito da noite não tínhamos ninguém e assim que se meteu música tivemos muita gente”, contou Marina Costa, admitindo que tiveram que recorrer a colunas próprias, uma vez que o sistema de som da Junta não funciona todos os dias.

A autarquia lisboeta de Santa Maria Maior comunicou que “não estão autorizados sons autónomos por banca ou retiro“, mas nem todos os vendedores do arraial de Alfama cumprem.

Nascida e criada no bairro lisboeta de Alfama, Marina Costa, de 36 anos, herdou a tradição de família de organizar uma banca de vendas durante as Festas de Lisboa, pelo que garante que sem música não há arraial.

Se só à sexta e ao sábado é que metem música, então nos outros dias isto morre“, reclamou a alfacinha de gema.

Entre a azáfama de assar sardinhas e servir caldo verde, o responsável pelo “Retiro dos Compadres”, Rui Grilo, declarou à Lusa que a medida da Junta de Freguesia é “para inglês ver”.

Dizem que a gente não pode ter colunas, mas o que é facto é que música não há, é só nos dias que eles querem, nos dias em que a gente, se calhar, precisa de música não temos música”, criticou Rui Grilo, referindo que as vendas têm sido prejudicadas.

Com muitas dúvidas em relação ao funcionamento do sistema comum de som, o responsável pelo “Retiro dos Compadres” garantiu que lhe foi dito que “só não havia música à segunda-feira”, que é o dia em que as bancas de vendas estão fechadas.

“Agora, pelo que a gente começa a ver, só vai haver música, se calhar, à sexta e sábado, os outros dias não há música“, lamentou, indicando que “há pessoas a meterem colunas”.

Como morador de Alfama, Rui Grilo manifestou-se contra as colunas autónomas, advogando que, nesses casos, os vendedores não cumprem também com os horários de funcionamento, o que afeta o descanso dos residentes.

No “Retiro da Fininha”, a responsável Fátima Correia, que participa no arraial de Alfama há 20 anos e que “já foi fininha, agora é gorda”, disse à Lusa que concorda com a medida que o som seja igual para todos, “desde que ponham música todos os dias”.

Ontem não houve música e o bairro estava um bocado triste“, referiu Fátima Correia, defendendo que “a malta quer é música pimba”, pelo que é a favor do sistema comum de som apenas emitir música portuguesa adequada às festividades.

Já no “Retiro da Baixinha”, Maria Carvalho, nascida e criada há 52 anos em Alfama, faz a mesma reclamação em relação à música: “tinham que pôr todos os dias”.

Se nos mandam abrir, têm que pôr a música. Mas, por um lado, acho bem que seja a música igual para toda a gente”, expressou a vendedora.

Em declarações à Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, afirmou que a medida do executivo visa resolver o “caos” que se tem verificado em anos anteriores no arraial de Alfama, devido à existência de sons autónomos por retiro.

“Até agora não há nenhuma reclamação de um retiro dizendo que queria ter liberdade para passar a sua própria música”, declarou o autarca, argumentando que “está toda a gente muito satisfeita”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)