O Manchester United chegou a acordo com o Benfica para a transferência de Victor Lindelöf. A informação foi confirmada pelos red devils no site oficial do clube e, mais tarde, comunicada pelos campeões nacionais à CMVM. A transferências carece ainda dos habituais exames médicos mas será uma das maiores vendas de sempre dos encarnados: 35 milhões de euros, mais 10 por objetivos. Mais caros, apenas Ederson (40 milhões, dos quais as águias receberam metade) e Axel Witsel (40 milhões). Renato Sanches também saiu para o Bayern por 35 milhões de euros, mas com cláusulas por objetivos que, no limite, poderiam chegar a mais 45 milhões.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248º do Código dos Valores Mobiliários, que chegou a acordo com a Manchester United Football Club Limited para a transferência a título definitivo dos direitos do atleta Victor Jorgen Nilsson Lindelof pelo montante de € 35.000.000 (trinta e cinco milhões de euros). Mais se informa que no acordo estão previstos valores adicionais, num montante global de € 10.000.000 (dez milhões de euros), dependentes da concretização de objetivos contratualizados, os quais terão de ocorrer enquanto o atleta estiver vinculado à Manchester United Football Club Limited. O referido acordo de transferência produzirá efeitos assim que o atleta concluir os exames médicos a que se irá submeter, com o consentimento da Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD, e vier a ser acordada a celebração de um contrato de trabalho entre o atleta e a Manchester United Football Club Limited”, informou o clube à CMVM.

Nesse comunicado, o clube de Manchester não revela os valores envolvidos na negociação e assinala que o acordo fica sujeito aos habituais testes médicos e termos pessoais do defesa central. Ainda assim, e confirmando-se as verbas que têm sido faladas, os ingleses deverão pagar 35 milhões de euros pelo passe do internacional, havendo ainda a possibilidade de se fixarem cláusulas por objetivos.

Nesta altura, Lindelöf está concentrado com a seleção sueca, que arrancou ontem uma importante vitória frente à França por 2-1, em jogo a contar para a fase de qualificação para o Mundial de 2018. Existem duas hipóteses para o acordo ficar concluído: ou o defesa viaja este fim-de-semana até Manchester para fazer exames médicos, voltando depois ao conjunto nacional escandinavo, ou seguirá apenas na quarta-feira, a seguir ao jogo particular na Noruega.

Benfica. Daqueles que estiveram ali em festa, três vão sair

A saída do central de 22 anos já era de certa forma esperada, por todo o assédio ao jogador nas últimas duas épocas. Em paralelo, e depois dos 40 milhões pagos pelo Manchester City por Ederson (dos quais apenas metade entrou nos cofres da Luz), o Benfica realiza mais um negócio de grande peso a nível de alienação de ativos. E não deverá ser o único: Nélson Semedo e Samaris, entre outros, deverão ser outros grandes encaixes neste Verão.

Chegado ao Benfica em 2013, depois de ter começado no Vasteras, Lindelöf ainda fez quatro jogos nos juniores mas rapidamente passou para a equipa B, com um total de 15 partidas realizadas na Segunda Liga. Em 2013/14, ganhou o primeiro Campeonato Nacional na Luz, após cumprir 28 minutos na última jornada (logo no Dragão). Além dos 33 encontros no Benfica B, o sueco fez ainda 90 minutos às ordens de Jorge Jesus na Taça de Portugal.

A época seguinte acabou por funcionar como uma espécie de trampolim para o salto esta noite confirmado: depois das 41 partidas na Segunda Liga e de um jogo na Taça de Portugal (onde fez apenas um minuto), deu nas vistas na Premier League International Cup pelos encarnados e sagrou-se campeão da Europa Sub-21 de seleções, após vencer no jogo decisivo… Portugal.

Foi com Rui Vitória, e umas lesões no centro da defesa à mistura (sobretudo do capitão Luisão) que agarrou lugar na equipa principal, tendo terminado a época como indiscutível ao lado de Jardel. Estreou-se na Liga dos Campeões (os encarnados chegaram aos quartos-de-final, com o Bayern) e realizou 15 jogos na Primeira Liga, sendo uma peça fundamental na série de vitórias seguidas no final da temporada que assegurou o título. Ganhou também a Taça da Liga. No final da época, esteve também no Europeu sénior de seleções.

A temporada que agora terminou, e onde o Benfica ganhou Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça, acabou por ser a completa afirmação do defesa: falhou apenas dois jogos da Primeira Liga, esteve em 47 encontros oficiais e apontou um golo decisivo (e que golo) na deslocação a Alvalade para o Campeonato.

Trocado por miúdos, Lindelöf agarrou o que Ederson arriscou tirar

José Mourinho já tinha revelado grande interesse na contratação de um central, sobretudo depois de ter sofrido inúmeras baixas prolongadas nessa posição ao longo da época: além de Phil Jones, Marcos Rojo e Smalling, Éric Bailly, central contratado em 2016/17 ao Villarreal, ficou ausente das últimas semanas de prova. A regularidade exibicional, o historial praticamente limpo de lesões nos últimos anos e o potencial de evolução foram argumentos que convenceram em definitivo o treinador português.