Downing Street anunciou este domingo que as negociações com o Partido Democrático Unionista (DUP) da Irlanda do Norte continuam, depois de, na véspera, ter sido anunciado que já tinha sido alcançado um princípio de acordo para formar governo. “A primeira-ministra [Theresa May] falou esta noite [de sábado] com o DUP para discutir a finalização de um acordo quando o Parlamento retomar os seus trabalhos na próxima semana”, indicou um porta-voz de Downing Street em comunicado.

“Daremos as boas-vindas a qualquer compromisso que seja acordado, dado que irá proporcionar a estabilidade e a segurança que todo o país precisa durante e depois do Brexit”, referiu. Este comunicado surge depois de um outro, emitido no sábado, que exagerou no progresso das conversações, ao anunciar que o DUP tinha já dado ‘luz verde’ às principais linhas de uma proposta para apoiar os conservadores, falando de um princípio de acordo com o DUP para governar com o apoio pontual, mas aparentemente sem coligação.

Segundo fontes da Sky News, Downing Street cometeu um erro quando emitiu o primeiro comunicado, que o levou então a clarificar o atual ponto de situação das negociações.

Theresa May anuncia acordo com unionistas da Irlanda do Norte

O DUP confirmou ao canal de televisão que ainda não concordou apoiar os tories, mas que as conversações prosseguem. “Hoje [sábado] o DUP manteve discussões com representantes do Partido Conservador em linha com o compromisso de Arlene Foster para explorar de que forma podemos trazer estabilidade à nação neste momento de grande desafio. As conversações até ao momento têm sido positivas”, afirmou o partido. “As discussões vão continuar na próxima semana para afinar detalhes e de modo a alcançar um acordo sobre os arranjos para o novo Parlamento”, acrescentou.

O DUP, principal força política na Irlanda do Norte, defensora da união com o Reino Unido e do Brexit, elegeu 10 deputados, os quais podem dar a maioria de que os conservadores precisam depois de terem reduzido a sua presença no Parlamento para 318 deputados nas eleições legislativas de quinta-feira, menos oito do que precisariam para terem maioria absoluta.

“Não estamos num Governo com o PDU, não estamos numa coligação com eles”

O Governo britânico garantiu este domingo que o apoio pontual em negociação com o Partido Democrático Unionista (PDU) não é o mesmo que uma coligação, centrando-se em áreas fulcrais como os grandes assuntos económicos e de segurança. “Não estamos num Governo com o PDU, não estamos numa coligação com eles; vão apoiar-nos nos grandes assuntos económicos e de segurança que este país enfrenta e que são cruciais”, disse o ministro da Defesa.

Numa entrevista à BBC, Michael Fallon acrescentou que é natural que haja divergências com os unionistas da Irlanda do Norte em temas sociais, nomeadamente no aborto e no casamento entre pessoas do mesmo sexo. “Não estamos de acordo e não temos de estar de acordo com alguns dos seus pontos de vista em certos assuntos sociais; eu, pessoalmente, não estou de acordo”, vincou o titular da pasta da Defesa, que transita do anterior Executivo de Theresa May.

Tanto o PDU como o Governo conservador britânico, num comunicado oficial da primeira-ministra, sinalizaram que o diálogo para chegar a um acordo que permita obter apoios pontuais no Parlamento, depois de perderem a maioria nas eleições de quinta-feira, continua. Na opinião do ministro da Defesa, os resultados de quinta-feira vão obrigar, a partir de agora, o Governo a tomar decisões de forma mais “coletiva”, já que é preciso uma abordagem diferente.

“Claramente, um Governo em minoria requer uma atitude diferente; já vimos algumas mudanças de pessoas em Downing Street”, a sede do Governo britânico, acrescentou o governante, referindo-se aos dois chefes de gabinete de May, que se demitiram poucas horas depois do resultado eleitoral negativo, que tirou aos conservadores a maioria no Parlamento britânico. “Espero um processo mais coletivo de tomada de decisões no executivo; eu e outros colegas deixámos isso claro a May e creio que também veremos que ela quer trabalhar de forma mais próxima com o grupo parlamentar”, concluiu Fallon.

Atualizado às 14h40 de domingo